cada 30 segundos, um grande estouro era ouvido nos quarteirões próximos ao Sesc de Caruaru na tarde desta sexta-feira (24), dia de São João. O barulho muito mais alto do que o dos fogos, que eram tradicionais na noite anterior, vinha de tiros disparados por bacamarteiros, personagem interiorano que é homenageado nesta época no interior do Nordeste.

Pelo menos duas centenas desses “soldados” com roupas coloridas e pesadas espingardas, os bacamartes, desfilaram pelas ruas de Caruaru nesta tarde em comemoração ao São João. Reunião de grupos menores de várias cidades, o encontro é um dos principais eventos do dia na cidade, e o Sesc foi o ponto de encontro para o início do desfile. Era lá que os bacamarteiros realizavam os disparos, em fila, gerando grande barulho e comemoração.
O agricultor Lourinaldo Vila Nova (à direita), líder de um desses ‘esquadrões’ bacamarteiros

Leia também:  Ex-marido foge após esfaquear grávida durante discussão em São Paulo

Diz-se que a tradição dos bacamartes vem desde a guerra do Paraguai, e que é um costume surgido de quando os soldados atiravam para o alto para festejar. Hoje, os bacamarteiros são em sua maioria agricultores de toda a região, e seus tiros são formados apenas de barulho, sem que nenhum projétil saia da arma.

O agricultor Lourinaldo Vila Nova era o líder de um desses “esquadrões” bacamarteiros que se reuniram em Caruaru. Segundo ele, os bacamartes são usados apenas nas festas de São João, e cada bacamarteiro treina desde a infância, usando cargas menores de pólvora para poder se acostumar com o coice da arma. Aos 51 anos, ele contou que atira desde os 15.

Leia também:  Criança torturada pela mãe é levada para hospital com costela quebrada e braço fraturado

Trabalhador de uma fazenda da região da própria cidade, ele lidera um grupo de 22 homens e contou ao G1 que cada chefe como ele precisa se registrar anualmente no Exército para poder dar disparos e desfilar. “É muita responsabilidade”, contou. Ele disse, entretanto, que não existe um teste para poder conseguir a autorização. “É preciso ter dignidade, fazer direito, não deixar os comandados beberem demais”, explicou.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.