Ivanildo conta como é a profissão de caminhoneiro - Foto: Varlei Cordova/Agora MT

Trafegam pelas estradas brasileiras cerca de dois milhões de caminhoneiros, transportando 60% da carga movimentada no país. Para lembrar o dia do caminhoneiro (30 de junho), profissionais do ramo contam um pouco sobre essa profissão que infelizmente não é reconhecida.

Muita gente tem uma idéia errada do que seja ser um caminhoneiro, imaginam que seja apenas pegar um caminhão e sair pelas estradas segurando um volante. Pensamento totalmente equivocado cada caminhão, cada carga, requer uma habilidade específica.

O carreteiro da empresa Transrio, Ivanildo Alves de Araújo (Meu Rei), trabalha na está na estrada há 30 anos e afirma que apesar das dificuldades da profissão não pensa em abandoná-la tão cedo. “Esse foi o trabalho que escolhi para a minha vida, ela me da à chance de conhecer lugares diferentes e de tirar o meu sustento que é compensador”, diz.

Leia também:  Mostra Kasa e Construção 2017 será realizada nos dias 25, 26 e 27 em Rondonópolis

De acordo com Ivanildo a principal dificuldade encontrada na sua profissão são as más condições da estrada. O carreteiro que viaja para todas as regiões do país alega que o caminho que liga Rondonópolis a Alto Araguaia é o pior trecho do Brasil devido aos buracos, a falta de sinalização e de acostamento.

Ivanildo que chega a ficar mais de 10 dias longe de casa comentou que para amenizar a saudade da família tenta se comunicar todos os dias pelo telefone. Outro problema destacado pelo carreteiro é a imprudência de alguns motoristas pelas estradas, que não respeitam o limite de velocidade e nem as normas de segurança.

“Na empresa que trabalho temos que respeitar a velocidade e o horário de parar a carreta, situação que muitas vezes não acontecem em outros locais fazendo com que os motoristas não tenham jornada de trabalho e que mesmo cansados, se arrisquem nas estradas para agilizar a entrega das cargas”, fala.

Leia também:  Instituto de Brasília realiza curso para assessores em Rondonópolis

Ivanildo falou que só um apaixonado pela profissão pode agüentar tanto tempo na estrada. “Não me vejo fazendo outra coisa, ao mesmo tempo em que é um trabalho não deixa de ser um lazer, pelas belas paisagens que encontramos ao longo da estrada”, finaliza.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.