Com a baixa umidade do ar registrada nos últimos dias em Rondonópolis, cresce a preocupação em relação aos problemas de saúde ligados ao clima. O sistema respiratório é a parte do corpo mais afetada pelo tempo seco, fazendo com que o atendimento em consultórios e hospitais triplique.

O pneumologista, Lamberto Mario Henry, explicou que com o clima seco característico da época há mais partículas de diversos tipos que ficam em suspensão no ar e são inaladas pelas pessoas, entre essas, os ácaros, poeira, restos de materiais queimados e outros. “O ressecamento do sistema respiratório diminui a defesa do corpo facilitando o aparecimento de infecções”, fala.

De acordo com o pneumologista, alguns grupos específicos, como crianças, idosos e pessoas que já possuem algum tipo de problema respiratório, ficam mais vulneráveis neste período e precisam redobrar os cuidados.  “Com o ar mais seco, as vias aéreas são diretamente afetadas, facilitando a entrada de vírus e bactérias. Então, é preciso se prevenir e evitar fatores de risco. As doenças mais comuns da época são o resfriado, gripe, sinusite, asma, bronquite, pneumonia e rinite”, diz.

Leia também:  PF cumpre 19 mandados contra facção criminosa do CV em Rondonópolis e região

O médico falou que com algumas prevenções é possível manter o bem estar mesmo durante esse período, entre elas, está beber bastante líquido, manter o ambiente umidificado e evitar fazer exercícios físicos das 11h às 16h, momento em que a umidade está ainda mais baixa.

Lamberto afirmou que para a melhora de gripes e resfriados as pessoas podem fazer o uso de antitérmico e xaropes de baixa intensidade, caso não melhore em três dias deve procurar ajuda médica. O pneumologista comentou que a população não deve fazer o uso de antibiótico por conta própria, pois pode piorar o quadro da doença.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.