FOTO ARQUIVO AGORA MT

O vereador Mohamed Zaher (PR) criticou nesta sexta (15) a gestão do dinheiro público da saúde. Segundo ele, a farmácia municipal só está operando com 20% da sua capacidade e faltam remédios e equipamentos nas unidades de saúde, assim como, dinheiro para finalizar a Clínica da Mulher, na Vila Operária.

Mohamed disse que nos próximos dias fará visitas a todas as unidades do PSF para verificar pessoalmente a realidade do atendimento direto dado à população, assim como, o que está faltando para melhoria do trabalho dos profissionais.

“Já estive no PSF do Sumaré e lá faltam um inalador e um sonar, para verificar os batimentos cardíacos dos bebês em grávidas. Não há condições de atendimento porque o prédio está cheio de rachaduras e infiltrações”, revelou.

Leia também:  Estão abertas as inscrições de seletivo para a contratação de professores

Segundo ele, enquanto os prédios estão em condições precárias, sem locais adequados para o atendimento, há desperdício de dinheiro público. “Sabemos que hoje a farmácia de manipulação do município opera com apenas 20% da sua capacidade e são comprados remédios a preços mais caros enquanto poderiam estar economizando com a fabricação própria”, ressaltou.

Outro exemplo de desperdício de dinheiro público citado por ele, foi a quantidade de formulários e prontuários timbrados de administração anteriores que estão estocados no almoxarifado da Secretaria Municipal de Saúde. “Entendo que se tiver o nome da prefeitura já está bom porque outro prefeito pode ocupar os papéis e com isso teremos uma economia e mais dinheiro poderá ser destinado, por exemplo, para compra de medicamentos”. Ele destacou que no local há papéis timbrados de pelo menos duas administrações anteriores que não podem mais ser utilizados.

Leia também:  Poder Executivo discute novo modelo de IPTU com presidentes de bairros de Rondonópolis

O vereador ainda afirmou que “é uma vergonha não ter dinheiro para terminar a clínica da mulher”. Para ele, a administração não tem que pegar móveis e equipamentos de outros locais, que no entendimento dele, já estão sucateados. Segundo informações da Secretaria Municipal de Saúde, são necessários R$ 600 mil para entregar a obra e iniciar os atendimentos.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.