O secretário adjunto de pavimentação urbana, José Márcio Guedes (PR), saiu em defesa do ex-diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte, Luiz Antonio Pagot. “Faço essa defesa porque ele (Pagot) tem sido de suma importância para o nosso estado neste momento, só para se ter uma idéia, estamos próximos de R$ 2 bilhões de obras contratadas pelo governo federal através do DNIT no estado”, declarou Márcio.

O republicano disse que não estava fazendo a defesa em nome do partido ou grupo político, mas sim, como cidadão matrogrossense que pode ver e acompanhar de perto os avanços na recuperação e pavimentação de centenas de quilômetros de estradas federais e estaduais em Mato Grosso, que só foram feitas graças a influencia direta de Pagot. “Lamento profundamente que este episódio tenha afastado o Pagot da direção do DNIT, as denúncias feitas pela revista ainda estão no campo das denúncias sem prova e caso elas se mostrarem verdadeiras, não compactuarei com este desmando, mas, por enquanto é só a palavra de empreiteiros que acusaram sem apresentar provas”, disse Guedes.

Leia também:  Em dias de frio, alunos são proibidos entrar em escola da BA por estarem usando calça

Ainda em defesa de Pagot, José Márcio deixou claro que nunca foram feitos antes em Mato Grosso tantos investimentos através do DNIT. “Só de obras já em andamento temos as duplicações da BR-364/163 nos trechos urbanos de Rondonópolis e Jaciara, além disso, a própria BR-364 já está sendo duplicada no trecho que liga Cuiabá ao Posto Gil, são obras que sonhamos a muitos anos, como também a duplicação da serra de São Vicente e só estão sendo possíveis graças ao empenho de Pagot”, alertou Guedes.

O Secretário adjunto, ainda revelou que alguns projetos importantes para o bom desempenho logístico do estado podem com a saída de Pagot acabar sendo esquecidos. “Existem dois grandes projetos que estavam sendo gestados com muito carinho por Pagot, que podem ficar prejudicados com a sua saída, a ferrovia Leste/Oeste, passando por Goiás, Mato Grosso e chegando a Rondônia e a BR 242, a única rodovia federal que cortaria o Mato Grosso de leste a oeste”, revelou Guedes, que avaliou ainda, que os matogrossenses, deviam se manifestar em defesa de Pagot.  “Vou repetir, por enquanto as denúncias são meras acusações sem provas e se caso elas foram verdades deve haver punição, mas, nada foi comprovado e o nosso estado está perdendo um aliado importante para o nosso desenvolvimento, deveríamos fazer um movimento em defesa de Pagot”.

Leia também:  Sema investe R$ 1,3 milhão em projeto de gerenciamento de recursos hídricos
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.