FOTO:RONALDO TEIXEIRA/AGORA MT

Joakson da Silva Santos, 27 anos, acusado de matar a menor Nayara Beatriz Alves dos Santos (17) no final da manhã desta quarta feira (17/08), foi preso na madrugada de hoje (18/08).

Depois de atirar contra a garota, Joakson iniciou uma fuga cinematográfica, com direito a várias perseguições policiais e uma sequência de crimes desencadeada por ele.

Depois de matar Nayara, de acordo com depoimento de Joakson ao delegado plantonista Afonso dos Santos, ele fugiu para a cidade de Pedra Preta, distante cerca de 40 km de Rondonópolis.

CRIMES EM SÉRIE

Naquela cidade, Joakson, praticou mais um crime. De acordo com o mecânico, Jeferson Shiguimi Sassanato, a mulher dele foi abordada pelo acusado que estava armado, provavelmente com o mesmo revólver que havia praticado o homicídio em Rondonópolis. O carro do casal, um Nissan preto foi levado por Joakson, depois disso ele foi para um posto de combustíveis ainda naquela cidade onde praticou outro assalto.

Leia também:  TCE afirma que detentos com tornozeleira ficaram 1 ano sem monitoramento em MT

Durante a fuga pela BR-364 no sentido à cidade de Alto Garças, distante cerca de 200 km de Rondonópolis, Joakson, teria fugido de um cerco policial da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e o carro foi abandonado alguns quilômetros a frente, pois ficou danificado durante a fuga.

Ainda no município de Pedra Preta, Joakson, invadiu uma casa no distrito de Garça Branca, na comunidade conhecida como “Tatuapé”. Armado ele rendeu a família, três crianças e dois adultos, atirou contra o dono da casa, trancou todos e jogou a chave no mato. Joakson fugiu do local usando uma camisa e um boné da vítima, na intenção de dificultar sua identificação.

Depois de andar por alguns metros, ainda em Garça Branca, ele roubou do operador de máquinas, Marcelo Nunes da Silva, uma moto Twister, de cor amarela. De novo na rodovia ele se deparou com outra equipe da PRF e teve início uma nova perseguição que resultou na sua prisão.

Leia também:  Governo do Estado rompe definitivamente negociações com o Consórcio VLT Cuiabá

No momento da prisão feita pelos policiais rodoviários federais, Joakson, teria se apresentado com nome falso, somente após sua chegada ao Centro Integrado de Segurança e Cidadania (Cisc) de Rondonópolis é que sua verdadeira identidade foi revelada, pois ele teria sido reconhecido por um policial civil como o autor do homicídio que vitimou Nayara.

DECLARAÇÕES

De acordo com informações colhidas pela equipe do AGORA MT hoje pela manhã no Cisc, Joakson, revelou que teria matado Nayara por conta do fim do relacionamento entre os dois. “A gente era ‘ficante’ e ela terminou comigo, daí ‘tava’ armando com um cara aí pra cima de mim. Ela queria ‘enfiá’ a faca em mim e eu matei”.

Leia também:  Suspeito baleado em Rondonópolis é preso em hospital de Pedra Preta

Porém, outra versão para o crime, apresentada por parentes e vizinhos da vítima, aponta que Joakson teria ido até a casa de Nayara e lá exigindo uma raspa de cachimbo (droga) que teria sido negado pela menor, a partir daí o crime teria ocorrido.

Nayara foi morta com um tiro de revólver calibre 32, que lhe atingiu as costas na altura do ombro e transfixou saindo no peito. Ela ainda foi socorrida pelo SAMU e levada para o Hospital Regional onde morreu minutos depois.

O delegado plantonista, Afonso dos Santos, autuou Joakson em flagrante pelo crime do roubo da moto. Já em relação aos demais crimes por ele praticados, inclusive a acusação de homicídio em Rondonópolis e a tentativa em Garça Branca serão devidamente apurados pelas respectivas comarcas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.