Campeão Despres levanta a mão do brasileiro Felipe Zanol na premiação (Foto: Andre Chaco/Divulgação)

Foram dez dias e 4.026 km até a chegada nesta sexta-feira na Praia de Cumbuco, em Caucaia (CE), para a dupla Guilherme Spinelli e Youssef Haddar e o francês Cyril Despres soltarem o grito de campeão da 19ª edição do Rally dos Sertões. Depois de uma disputa intensa com o brasileiro Felipe Zanol entre as motos, Despres venceu a décima e última etapa e garantiu o bicampeonato.

Nos carros, o supersticioso Palmeirinha e seu navegador Filipe Palmeiro partiram de Sobral (CE) trajando a camisa do Palmeiras para dar sorte e até conseguiram ser os mais rápidos do dia. Mas não o suficiente para tirarem a vantagem dos defensores do título do maior evento off-road do Brasil. O flamenguista Spinelli aproveitou para brincar com o rival.

– Como no Brasileirão, deu Mengão à frente na tabela (risos). Estamos muito satisfeitos com os resultados que conseguimos nestes dez dias. Das 11 edições em que estive, essa sem dúvida foi a mais difícil. Nós viemos para o Sertões com uma estratégia e conseguimos colocá-la em prática – comemorou Spinelli.

Leia também:  Brasil dá show em Cuiabá e avança no Grand Prix

Despres e Zanol proporcionaram uma disputa emocionante do início ao fim do rali. Depois de liderar as quatro primeiras etapas, o brasileiro viu o tricampeão do Dakar subir de produção e vencer as seis provas seguintes, sempre por segundos ou até décimos de diferença.

– Foi a vitória mais difícil da minha carreira. O Felipe está de parabéns. É o segundo rali dele e já está andando como se tivesse vários nas costas. Fico muito feliz com o bicampeonato e espero voltar ano que vem – disse Despres.

Em sua segunda temporada como piloto de rali, Zanol lamentou não ter conseguido a vitória e, principalmente, o erro que custou a derrota na penúltima etapa, que poderia tê-lo colocado com melhores chances nesta sexta.

Leia também:  Luverdense deixa a zona de rebaixamento

– Foi uma pena o meu erro, mas fiz tudo o que pude. Vencer um campeão mundial como o Despres não é fácil. Nos dois anos fui superado por pilotos que têm três títulos de Dakar nas costas. O Cyril é dez e está de parabéns – elogiou Zanol, que em 2010 acabou derrotado pelo espanhol Marc Coma, no Sertões.

Nos caminhões, o trio Guido Salvini/Flavio Bisi/Fernando Chawai levou a melhor sobre o de André Azevedo/Sidinei Broering/Ronaldo Pinto na categoria pesados. Na leves, Edu Piano/Solon Mendes/Davo José de Oliveira superou Rafael de Souza/José Neto. Já nos quadriciclos, o cearense Tom Rosa liderou a competição do início ao fim e garantiu o título, com Leonardo Vieira em segundo.

Leia também:  Brasil vence a Holanda e tem desafio mortal contra os Estados Unidos

Confira os três primeiros de cada categoria:

Motos

1º CYRIL DESPRES               29h58min06s
2º FELIPE ZANOL                   30h06min06s
3º DARIO JULIO SOUZA        31h18min39s

Carros

1º GUILHERME SPINELLI/YOUSSEF HADDAD                    29h23min39s
2º PAULO NOBRE/FILIPE PALMEIRO                                   29h47min37s
3º KLEVER KOLBERG/FLAVIO MARINHO DE FRANCA     30h06min23s

Quadriciclos

1º TOM ROSA                 39h59min13s
2º LEONARDO VIEIRA   43h27min03s
3º JOSE DEMONTIER    43h44min02s

Caminhões

1º EDU PIANO / SOLON MENDES / DAVI JOSE DE OLIVEIRA               28h18min10s
2º RAFAEL DE SOUZA MARTINEZ-CONDE / JOSE PAPACENA            30h12min52s
3º GUIDO SALVINI NETTO / FLAVIO BISI / FERNANDO CHWAI              29h54min41s

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.