Integrantes das Ongs participaram do encontro - Foto Varlei Cordova / Agora MT

Os profissionais do Centro de Controle de Zoonoses – CCZ de Rondonópolis se reuniram nesta sexta-feira com representantes do Ministério Público e das Organizações não Governamentais – ONGs para discutir a criação do Protocolo de Zoonoses que vai direcionar o uso da “carrocinha”.

Durante o encontro o gerente do Núcleo de Vigilância Ambiental, Edgar da Silva Prates, apresentou uma proposta relacionada à mudança das atividades desenvolvidas pela carrocinha, onde a ideia é incentivar uma mudança de hábito entre a população. “Hoje esse tem sido o maior problema do órgão que tem comprometido o nosso trabalho. O que queremos é que a população seja responsável pelos seus animais que não os abandonem porque ele está doente”, fala.

Leia também:  Moradores do Colina Verde e Sagrada Família reclamam da falta de água nos bairros

De acordo com o Edgar as pessoas não tem responsabilidade com o animal que pega para criar e antes mesmo de saber qual a doença dele querem que o Zoonoses recolha o animal. “O órgão não trata de animais, não é essa a nossa função”, diz.  Com o novo protocolo o setor pretende que com ajuda dos órgãos competentes se crie leis que façam a punição das pessoas que abandonarem os seus animais.

Outro ponto discutido no encontro foi o pedido ao Ministério Público para que possa ajudar para que os preços das vacinas virais sejam mais acessíveis para a população. “Também queremos desenvolver uma cartilha que será discutida em sala de aula e que através dos estudantes a conscientização possa chegar até os seus pais”, comenta.

Leia também:  Novas imagens mostram que camionete estava em alta velocidade

 

 

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.