O abate de bovinos em Mato Grosso registrou um aumento de 17 % no mês de agosto com relação ao mês de julho, atingindo 477,6 mil cabeças. Esse volume de animais destinado aos frigoríficos no mês passado é superior em 53,1 mil cabeças ao pico registrado em maio deste ano, quando foram abatidas 424,5 mil cabeças. Esse é o melhor resultado desde agosto de 2007, quando foram abatidas 494,5 mil cabeças. Segundo levantamento feito pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA), no período entre janeiro e agosto, o total abatido em 2011 chega a 3,184 milhões de cabeças, sendo este número 6,8% e 16,1% superior ao rebanho abatido no mesmo período dos anos de 2010 e 2009, respectivamente.

Leia também:  Homologada licitação para Ganha Tempo em Rondonópolis

Para Luciano Vacari, superintendente da Associação dos Criadores de Mato Gross- Acrimat, vários fatores contribuíram para esse aumento no volume de bate “e ressaltamos os animais vindos do semiconfinamento, já que conhecíamos os números de animais confinados e não chegavam a esse montante”. Aliado a isso, Vacari pontua ainda que “ninguém abate se o mercado não estiver aquecido e o que verificamos é que o consumo interno está em alta e as exportações foram retomadas”.

A proteína vermelha produzida em terras mato-grossense, de acordo com os dados da Secex/MDIC, aumentou em 46% suas exportações no mês de agosto, comparado ao mês de julho deste ano, chegando a 15,4 mil toneladas, enquanto que as exportações de carne bovina brasileira registraram acréscimo no volume embarcado de 7,6 totalizando 99,8 mil toneladas de equivalente carcaça, em relação ao mês anterior. Mato Grosso contribuiu com 65% do crescimento das exportações brasileiras no mês de agosto. Apesar desse saldo positivo, quando se compara agosto com o mesmo período do ano anterior, observa-se recuo de 32,78% no total embarcado pelo Brasil e em Mato Grosso de 36,3%, reflexo, em parte, do embargo russo e da desvalorização do câmbio brasileiro.

Leia também:  Delegada dá detalhes sobre caso da mãe e crianças mantidas em cárcere privado em Rondonópolis

Outro fator que está chamando a atenção é o aumento de animais jovens abatidos no Estado. O crescimento foi de 39,4% do volume de machos jovens, que somaram 217,6 mil animais abatidos, sendo, destes, 205,2 mil cabeças na faixa entre 24 e 36 meses. “Devemos observar que isso é fruto de investimento do produtor de Mato Grosso no melhoramento genético de seu plantel, em confinamento, semiconfiamento e suplementação a pasto”, analisa Vacari. Em agosto o abate de fêmeas também foi grande e correspondeu a 39,6% do total de animais com 189,1 mil cabeças, inferior ao mês de julho onde corresponderam a 46,1%. “A principal causa do abate de fêmeas tem sido a falta de pasto nesse período de seca e não de aquecimento do mercado”, disse o superintendente da Acrimat.

Leia também:  Saúde foca em realização de novo concurso
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.