Foto: Think Stock

Quem vive de dieta já deve ter ouvido de especialistas que não adianta diminuir a quantidade de calorias de apenas uma das refeições para perder peso, porque se comeria mais nas outras refeições. Mas, segundo um estudo científico recente – que estará na edição de outubro da revista americana Appetite – diz o contrário.

Em entrevista para o jornal americano The New York Times, David A. Levitsky, professor de nutrição da universidade Cornell e principal autor do estudo, afirma que os resultados põem em cheque um dos maiores mitos da dieta.

–  A ideia que prevalece entre as pessoas é a de que, se você diminuir a porção ingerida em uma das refeições, compensará comendo mais na próxima. Nesse estudo, não encontramos nenhuma evidência de qualquer compensação.

Leia também:  Sandália com meia + vestido de festa

Os pesquisadores contaram com a participação de 17 voluntários (entre homens e mulheres), que, por duas semanas, puderam comer tudo o que costumavam ou queriam, em um bufê. A quantidade exata de tudo o que ingeriam era pesada, e suas calorias, calculada pela equipe de cientistas.

Depois, por outras duas semanas, os voluntários tiveram de limitar o consumo apenas da refeição do almoço a 200 calorias (por dia). Mas, no restante do dia, podiam comer o que quisessem, daquele bufê inicial.

Os cientistas, então, descobriram que, sem contar o almoço, os participantes consumiram 1.568 calorias nas duas semanas em que tinham o almoço restritivo e 1560 nos primeiros 14 dias – ou seja, quando podiam comer o que quisessem do bufê. A diferença (oito calorias) é insignificante, afirmaram os responsáveis pela pesquisa.

Leia também:  Dieta da proteína nem emagrece nem faz os músculos crescerem

Porém, as 245 calorias que limaram nos últimos 14 dias por consumirem uma refeição mais leve no almoço foram sentidas na balança: cada pessoa perdeu, em média, meio quilo no período.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.