FOTO ARQUIVO AGORA MT

O vereador Mohamed Zaher (PR) protocolou novamente apoio junto aos professores da Universidade Federal de Mato Grosso, Campus de Rondonópolis, para a continuidade da emancipação da instituição durante reunião realizada ontem (01/09) no Núcleo de Apoio à Terceira Idade (Neati). A comissão que trabalha pela independência do Campus está em fase de conclusão de um novo projeto para ser apresentado para o Ministério da Educação (MEC) nos próximos dias. O apelo dos professores e dos alunos é que haja uma mobilização da bancada de Mato Grosso para defender o novo projeto em Brasília.

A discussão contou com a presença da doutora Lindalva Garske, coordenadora do grupo, do professor Laudenir Antônio Gonçalves (Adufmat), do deputado Welinton Fagundes (PR), do suplente do senador, Antônio Medeiros e os vereadores Reginaldo Silva (PPS) e Olímpio Alvis (PR), entre outros.

Leia também:  Após roubar residência, suspeito é preso escondido em pé de manga

Na oportunidade, Medeiros destacou que o projeto que estava no MEC não possui mais validade devido a troca de Governo e que um novo processo para a emancipação do Campus deverá ser reiniciada.

O deputado Welington, protocolou novamente apoio à causa e garantiu que irá apresentar emenda orçamentária para 2012 para a contratação de uma consultoria para ajudar a gerir o campus local, definindo planejamento de metas a serem cunpridas, assim como, formas de viabilizar acesso e arquivo dos dados referentes a instituição em Rondonópolis. Segundo os professores, o campus local sequer sabe quanto custa a sua manutenção anual.

Dados apresentados pelos professores revelam alta produtividade dos docentes em relação número de professor por quantidade de alunos (17,04%) enquanto a meta nacional é de 14% e também alto índice de projetos de pesquisa registrado, sendo que 75% dos professores do local possui projeto em andamento. Nível bem acima dos 55% registrados pelo Campus de Cuiabá. Em investimentos, desde o ano passado, Rondonópolis respondeu apenas por 3% da obras destinadas para a universidade, contra 44% de Cuiabá, 31% de Barra do Garças e pouco mais de 20% em Sinop.

Leia também:  Cuiabá Arsenal encara Sorriso Hornets por redenção no estadual

Entre as reclamações estão a abertura de um novo campus em Várzea Grande, a possibilidade de remoção do curso de Engenharia Mecânica para lá e ainda a criação de quatro universidades sendo duas na Bahia, uma no Ceará e outra no Pará.

“O que vemos é a escolha de criação por critérios políticos e não técnicos. Temos que continuar na luta”, concluiu o vereador.

Mohamed foi um dos parlamentares que incentivaram o processo de independência do Campus ainda em 2005, quando ocupava a cadeira de presidente da Câmara Municipal de Rondonópolis.

Advertisements
COMPARTILHAR
Artigo anteriorCais recebe a 3ª FECOSOL
Próximo artigoDetran terá novo pátio

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.