(*) Nelson Valente

Por mais que se queira provar que a educação é um fenômeno contínuo, sem saltos, a história demonstra que, em nosso país, ela se faz de modo contrário ao que determina a lógica. Um exemplo pode ser dado à música. Sou da fase do canto orfeônico, da obrigatoriedade de cantar o Hino Nacional antes de entrar na sala de aula, diariamente, com exceção apenas para quando a ocasião exigia o canto do Hino à Bandeira, do Hino à República ou do Hino à Independência. Ninguém passava de ano sem saber a letra de todos os nossos hinos. Certamente, o fenômeno era consequência do trabalho desenvolvido pelo maestro Heitor Villa-Lobos à frente da Superintendência da Educação Musical e Artística do Rio de Janeiro (desde 1932), estimulando o canto de hinos e canções patrióticas, para unir de forma harmoniosa o erudito e o popular. Depois, fez-se o hiato. O canto orfeônico foi retirado dos currículos, não era matéria importante (diziam alguns), e a consequência é sentida até hoje. Os hinos não são conhecidos, não são respeitados, em partidas internacionais nossos jogadores fingem que cantam, nas escolas quase não se fala nisso, o que é natural, pois os próprios professores não conhecem as letras, enfim, um desastre em matéria de civismo, de que tanto se fala e pouco se pratica. Agora, louve-se a iniciativa do professor Arnaldo Niskier,ex- secretário da Educação do estado do Rio de Janeiro, que mandou distribuir nossos principais hinos por todas as 450 escolas do sistema educacional do Rio de Janeiro. É medida patriótica, de efeito a médio e a longo prazo, no espírito de professores e alunos. Ele só fez uma exigência aos produtores da fita: “Incluam a Canção dos Expedicionários, pois a letra do Guilherme de Almeida é lindíssima e marca um momento de rara importância da cidadania brasileira: foi a participação e vitória na II Guerra Mundial”. Pedido atendido, Rio de Janeiro dá um passo à frente, em matéria de resgate de alguns dos nossos mais preciosos símbolos.

Leia também:  Temer deve sais ou ficar?


(*) é professor universitário, jornalista e escritor

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.