Foto: assessoria

Depois de quatro horas de debate, aComissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou o projeto de reforma do Código Florestal(PLC 30/11). O colegiado acolheu o texto do relator, senador Luiz Henrique da Silveira (PMDB-SC), que fez pequenas correções de inconstitucionalidades, deixando novos ajustes e o exame das 96 emendas apresentadas pelos senadores para Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT) eComissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor, Fiscalização e Controle (CMA).

Os senadores Pedro Taques (PDT-MT), Demóstenes Torres (DEM-GO), Aloysio Nunes (PSDB-SP), Jorge Viana (PT-AC), Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) e o relatorLuiz Henrique da Silveira (PMDB-SC)acordaram que as inconstitucionalidades do texto serão debatidas CMA, da qual o pedetista também é membro titular.

Insegurança jurídica

Durante reunião, Pedro Taques alertou sobre a insegurança jurídica do novo Código Florestal. “Este projeto, sendo aprovado, violará a Constituição brasileira em vários de seus dispositivos”, disse.

Leia também:  É nesta quinta-feira o espetáculo de canto coral que reúne coros da 3ª idade

Para Taques, um dos principais problemas é o artigo 8º do novo texto, que trata das áreas de proteção permanente (APPs) e é dúbio, trazendo dúvidas tanto para os proprietários e possuidores como para os órgãos ambientais. “Isso implicará em uma enxurrada de ações na Justiça questionando sua constitucionalidade e quem sairá prejudicada é toda a sociedade”.

O senador destacou que é importante que o Congresso assuma suas responsabilidades e não jogue para a Justiça o que deve ser definido na casa. “A nossa obrigação não pode ser jogar a sujeira para baixo do tapete”, acrescentou. Não adianta prolongarmos essa disputa para o Supremo Tribunal Federal (STF). Seria repassar, mais uma vez, para o Judiciário um papel que é do parlamento”, questionou.

Leia também:  Medeiros participa de reunião com Bolsonaro para definir estratégia de campanha

Legislação

Taques afirmou que concorda com vários pontos do texto, mas que ele precisa ser melhorado, independente de ter que voltar para a Câmara dos Deputados. “Isso faz parte do jogo democrático, do bicameralismo que existe no Brasil”.

De acordo com o senador, a segurança jurídica é importante especialmente para o setor produtivo. Taques lembrou que apenas no Mato Grosso 72% da economia se fundamenta no setor produtivo. “O estado possui 28,7 milhões de cabeça de gado bovino, mais que a Europa inteira e precisa de clareza para fazer seus investimentos”.
Além do artigo 8º, o pedetista apontou outras contradições no projeto que poderão culminar em milhares de ações judiciais. Ele cita brechas no conceito de área consolidada, possível violação de tratados internacionais e dos artigos 24 e 225 da Constituição.

Leia também:  Em 12 anos, votos brancos e nulos para deputado federal quase dobraram

“Não podemos retroceder. Precisamos respeitar o artigo 24 da Constituição que determina que a União estabeleça as normas gerais e os estados e municípios legislem de forma concorrente. Além disso, levar em conta o artigo 225 que prevê que ‘todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações’”, finalizou Pedro Taques.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.