FOTO ARQUIVO AGORA MT

Às 14h30min desta quarta-feira (14/09) presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (CMDM) de Rondonópolis, Sandra Raquel Mendes, se desligou do PMDB. A ex-peemedebista não descarta a possibilidade de se filiar a outro partido.

Sandra explicou que tudo na vida tem um período, e no momento não contribui mais com o partido e também deseja ser reconhecida pelo trabalho que poderia realizar para o partido sem ser apenas mais uma na conta de mulheres indicadas. “Reconheço e agradeço pela história que tive com PMDB, mas acredito que meu tempo já venceu e não tem mais sentido eu permanecer no partido. Infelizmente me sentia como mais um número, mais uma para preencher a cota de mulheres no pleito eleitoral”, argumentou a conselheira.

Leia também:  Audiência pública discutirá elaboração do Plano Plurianual de Rondonópolis

De acordo com Sandra, o fato que marcou o início do desencanto pelo PMDB foi a quando o prefeito José Carlos Junqueira de Araújo, também do PMDB, a exonerou sem um motivo significativo. “Quando fui exonerada percebi que era apenas mais uma mulher para preencher vaga. É como se os 23 anos que contribui com o PMDB não tivesse importância, a partir desse momento o relacionamento foi se desgastando”, declarou Sandra com um misto de amor e ressentimento na afirmação.

Hoje a conselheira prefere estar a frente de uma Secretaria de Politicas Públicas destinada as mulheres do que estar vereadora. “O conselho da mulher é minha paixão e me sinto útil, temo que caso venha me candidatar e ser eleita tenha que fazer acordo que venham contra meus valores e não consiga desempenhar projetos que venham a encontro com os direitos das mulheres”.

Leia também:  ACIR lança campanha no Dia do Meio Ambiente

No momento Sandra afirmou que deseja se dedicar a família e ao CMDM, mas não descarta a possibilidade de se filiar a algum partido e disputar as eleições, contudo entende que não é o mais importante. “Escolhi essa data porque achei melhor, se achar algum partido que me respeite e de os mesmos direitos que aos homens pode ser que saia a candidata. Não vou ser usada como apenas uma mulher para preencher a cota”, concluiu a ex-peemedebista que já foi procurada por quatro partidos.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.