A decisão do pedido de vistas do ministro Marcelo Ribeiro, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), sobre o registro do Partido Social Democrático (PSD), pode complicar a situação do vereador Milton Mutum (PR), que organiza a sigla em Rondonópolis.

Foto: Arquivo AGORA MT

Filiado no Partido da Republica e em seu segundo mandato de vereador, Mutum pode ser obrigado a permanecer na sigla partidária, correndo risco inclusive de após o dia 07 de outubro sofrer um processo de infidelidade partidária, recebendo como penalidade, sua expulsão, o que o deixaria fora do processo eleitoral de 2012.

Segundo informações Mutum seria julgado pela comissão de ética do partido por infidelidade, por ter trabalhado a filiação dos vereadores Mohamed Zaher (PR) e Hélio Roberto Pichioni no PSD.

Leia também:  União perde em casa e dá adeus ao sonho da Série C

Ao surgirem os primeiros indícios da possibilidade de transferência tanto Mohamed quanto Pichioni, anunciaram a permanência no partido, pois sabiam da possibilidade da instalação de um processo que poderia culminar com a expulsão de ambos.

Caso o PSD não seja oficializado até o dia 07 de outubro, outro ponto que pode prejudicar o nascimento do PSD, no município, é a formação de chapa completa para a disputa a vereador, nas eleições de 2012, sozinho no partido, Mutum, pode enfrentar dias de tormentas e ver seu projeto naufragar..

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.