Foto: Internet

O desmatamento na região amazônica em Mato Grosso apresentou alta de 65% entre janeiro a agosto deste ano, na comparação com o mesmo período de 2010. A área avançou de 465 km² para 769 km², de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Dos estados que compõem a zona amazônica, outros três apresentaram alta na mesma época: Rondônia, Acre, Tocantins, além de Mato Grosso. De acordo com o Inpe, em Rondônia identificou-se a maior evolução no desmatamento de áreas: 98%, resultado do avanço de 125 km² para outros 248 km².

As imagens de satélite do instituto detectaram no Acre variação de seis quilômetros quadrados para oito quilômetros quadrados a área desmatada entre 2010 e 2011, respectivamente, incremento na ordem de 33%. Já em Tocantins o desmate evoluiu 14%, passando de pouco mais de sete quilômetros quadrados para outros oito quilômetros quadrados.

Leia também:  Mato Grosso está em 2º lugar no ranking de focos de calor em 2017

Na contramão dos resultados negativos, Pará (-33%), Amazonas (-1%), Maranhão (-21%) e Roraima (-48%), apresentaram recuo na área de mata destruída, segundo indentificou o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.

Municípios
Em Mato Grosso, Alto da Boa Vista, a 1.064 quilômetros de Cuiabá, Nova Ubiratã, a 506 quilômetros da capital, e Cláudia 608 quilômetros, ocuparam as três primeiras posições, pela ordem, no quadro das cidades onde foram detectadas as maiores áreas desmatadas. No primeiro município os satélites do Inpe detectaram desmate de 99 km².

De acordo com o instituto, em Nova Ubiratã foram 87 km² destruídos entre janeiro a agosto e, em Cláudia, outros 53 km². Também figuraram na lista das cinco cidades onde mais se diagnosticaram desmates os municípios de Itanhangá (37km²) e Marcelândia (35 km²).

Leia também:  Inscrições para o 'Encontro de Bibliotecas de MT' vão até dia 25 de novembro

As cidades do Médio-Norte e do Norte mato-grossense aparecem, em sua maioria absoluta, na relação das localidades que mais contribuíram com os 769 km² de desmates no território mato-grossense.

Julho x Agosto
No comparativo julho e agosto, Mato Grosso apresentou queda nos desmates na área de floresta. O total baixou de 51 km² de floresta para 47 km².

Prodes 2010
Nesta segunda-feira (03), o Inpe também divulgou os dados do desmatamento no período de agosto de 2009 a julho de 2010. Na região amazônica o Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes) computou o total de 7.000 km². Mato Grosso foi responsável por 871 quilômetros quadrados. O Pará, que liderou a relação, por 3,7 mil.

Leia também:  Por falta de chuva plantio de soja está atrasado em Mato Grosso
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.