Paulo Gonçalves/Folha da Região

Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) se reuniu com diretores do frigorifico Mataboi e representantes dos credores para conhecer o Plano de Recuperação Judicial que a empresa pretende apresentar na Assembleia Geral de Credores, que ainda não tem data para acontecer.

“A proposta é elaborar um plano em conjunto, com todas as partes, para encontrarmos a melhor alternativa de pagamento aos pecuaristas e de forma viável”, disse o superintendente da Acrimat, Luciano Vacari. Ele ressalta que “todos nós queremos o retorno da atividade do Mataboi e a melhor forma disso acontecer é fazendo uma análise profunda da situação do frigorifico e as reais condições de pagamento”.

Durante a reunião realizada no final da tarde de sexta-feira, dia 30 de setembro, ficou definido que o Imea – Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária – vai fazer um estudo da situação econômica e capacidade financeira do Mataboi “e a partir desse levantamento, um plano será elaborado por todos os envolvidos no processo”, explicou Vacari. A meta é que dentro de 10 dias os estudos de viabilidade seja concluído e logo após uma reunião entre Acrimat, representantes do frigorífico e credores será realizada para que um novo plano seja elaborado.

Leia também:  Criança de 4 anos está em estado grave após ser atingida por bala perdida no RJ

Na última reunião realizada em Rondonópolis no dia 10 de agosto, os credores aprovaram uma proposta que foi entregue à diretoria do Mataboi. A proposta era de pagamento a todos os credores, independente do montante da dívida, de R$ 100 mil e 30 dias após a homologação do Plano aprovado pela Assembleia Geral dos Credores – AGC, o restante do crédito dividido em 24 parcelas mais correção monetária pelo índice do INPC.

A proposta aos pecuaristas feita pelo Mataboi informalmente no dia 15 de junho foi de pagamento aos credores com créditos até R$ 60 mil de maneira integral em 4 pagamentos trimestrais de 25% do valor total deste grupo de credores. Quem possuiu crédito acima dos R$ 60 mil, receberiam após um período de carência de 12 meses, em 12 pagamentos trimestrais de 8,33% do crédito de cada credor.

Leia também:  “Pior que tá, não fica” | Tiririca se despede: “Estou decepcionado com a política”

A dívida do Mataboi com os pecuaristas de Mato Grosso, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Goiás é de R$ 120 milhões, sendo R$ 20 milhões só com os produtores de gado mato-grossenses. Com os bancos o débito é de R$ 80 milhões e demais credores R$ 50 milhões. O Mataboi encerou suas atividades no dia 29 de março quando entrou com o pedido de recuperação judicial.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.