Ainda comentando sobre o jovem na política é preciso saber uma forma de como criar um certo gosto e como se encantar pela participação do mesmo na política. E para isso o jovem precisa experimentar o gosto da participação. Os jovens não participarão de ações que não lhe são prazerosas e criativas. Ao iniciar a atuação em um grupo, muitas vezes, o jovem não o faz por uma questão ideológica, mais sim porque acha legal mexer em uma filmadora, aparelho de som, encontrar as pessoas, produzir e criar algo. Creio que a socialização e a produção são os grandes mobilizadores da atuação dos jovens. Os grupos jovens que produzem algo, como os punks ou enfim outras tribos sentem-se capazes de fazerem algo. Esta é a magia, você pode fazer e mudar as coisas, quando o jovem experimenta isto, ele saca a importância de participar. A socialização faz com que o jovem não se sinta só. A ação individual voluntarista não cria redes e dificilmente este jovem se mantém por muito tempo no desenvolvimento de um trabalho. Estar e agir em grupo encanta os jovens para atuarem na realidade que os envolve e cria um compromisso mais permanente. Mais infelizmente também contamos com uma realidade partidária voltada a esse grupo que se vêem ao passar do tem muito distantes destes jovens. Muitos partidos, a partir dos anos 90, passaram a organizar setores juvenis com o intuito de tratar as questões sobre este segmento de forma mais séria. No entanto o trabalho de fazer jovens despertarem para a militância política dificilmente se inicia dentro dos partidos. A maioria dos jovens que ai militam despertou para a participação em outro movimento ou grupo. A linguagem, a disputa interna e a burocratização das relações partidárias não tem sido muito atraentes para esta geração juvenil. Porém outras formas de atuação têm cada vez mais se apresentado como novos modos de participação, atraindo os jovens para o debate público de questões que dizem respeito a eles e a comunidade na qual estão inseridos. São grupos culturais de produção audiovisual alternativa, projetos e ações pontuais diversas organizadas por jovens. Um jeito de participar vem se configurando e se somando a formas mais convencionais de atuação, como movimentos estudantis, sindicatos ou partidos. E onde estão esses novos grupos? Estão potencialmente em todos os espaços onde há jovens interessados em desenvolver algum tipo de ação que os interpele e os envolva. A novidade é cada grupo que vai expressá-la. E novamente repito, para isso precisa-se de uma atenção á mais dos partidos políticos em relação ao seu grupo jovem, ativem e o organizem, pois temos muitas lideranças jovens escondidas e que só precisam de um chamado.

Leia também:  Distribuição de rendas públicas

 

José Olavo Pio

Acadêmico de engenharia civil em Rondonópolis.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.