Em assembleia realizada na tarde desta quarta-feira (05/10), o Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas dos Correios, Telégrafos e Serviços Postais de Mato Grosso (Sintect-MT) rejeitou a proposta da direção dos Correios e decidiu permanecer em greve por tempo indeterminado. A paralisação dos funcionários dos Correios já dura 21 dias no Estado e segue o entendimento nacional da categoria.

De acordo com o presidente do Sintect-MT, Francisco Adão, o Distrito Federal e mais oito estados também recusaram o acordo, que precisaria ter o apoio de pelo menos 18 dos 35 sindicatos vinculados à federação.

Proposta

A proposta da direção dos Correios previa pagamento de aumento real de R$ 80 retroativo a 1º de outubro, além de reajuste de 6,87% nos salários e benefícios a partir de 1º agosto. Os funcionários também teriam que trabalhar durante finais de semana e feriados para colocar em dia as entregas atrasadas.

Leia também:  Chuva deve cair ainda esta semana em Rondonópolis; diz Inpe

Mas o desconto dos dias parados ainda é o principal entrave para um acordo. De acordo com a proposta, os funcionários teriam seis dias de trabalho descontados a partir de janeiro, sendo meio dia por mês, num total de 12 parcelas.

Brasil

Os principais sindicatos do país rejeitaram a proposta dos Correios que põe fim à greve. Até agora, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Distrito Federal, Santa Catarina, Paraná, Paraíba, Sergipe, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Espírito Santo já recusaram o acordo.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.