Thiago Pereira quer cuidar mais da parte física a partir de agora, com o P.R.O 16 (Foto: Reuters)

Ganhar músculos. Essa é a nova meta de Thiago Pereira. Depois de anos se preocupando com a técnica e os quilômetros rodados dentro d’água, o nadador dono de oito medalhas de ouro em Jogos Pan-Americanos quer cuidar mais da parte física. No P.R.O 16, grupo de treinamento liderado por Cesar Cielo, pretende fazer um trabalho para ficar mais forte e melhorar seu desempenho no fim das provas.

– Uma coisa que eu já conversei com o Albertinho (técnico Alberto Silva) que eu tenho melhorar bastante é a minha parte física. É uma parte que sempre deixei meio de lado. Sempre dei mais ênfase em treinar, treinar, treinar e rodar mais dentro da piscina. Agora, para esse próximo cliclo olímpico, vou dar mais ênfase à parte física, à musculação. Quero ficar mais forte – disse Thiago Pereira, que disputa os 100m costas do Pan de Guadalajara, nesta segunda.

Leia também:  Derrota diante do Dom Bosco gerou prejuízo financeiro ao União

Depois do Mundial de Xangai, em julho, Thiago Pereira resolveu se integrar ao grupo P.R.O 16. Com isso, irá se dividir entre Estados Unidos, onde mora, e Brasil. No projeto de Cesar Cielo, o nadador de Volta Redonda fará com o técnico Alberto Silva um trabalho mais específico para melhorar seu rendimento nos últimos metros.

– O que a gente está apostando, e já até fizemos alguns treinos nessa direção, é que quando ele começa acumular acidose no músculo fica com dificuldade de manter o ritmo forte de prova, justamente no fim. Então, a gente está procurando provocar mais essa situação de acidose alta e cobrar dele uma eficiência, mantendo a intesidade – explicou Alberto Silva.

Leia também:  Projeto Mais Esporte, Mais Cidadania é lançado oficialmente em Rondonópolis

Thiago terá a chance de sentir os primeiros efeitos do novo trabalho nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, esta semana. O primeiro brasileiro a ganhar uma medalha de ouro no México, porém, evita fazer muitas expectativas, já que teve pouco tempo de treino com o novo grupo.

– Não deu para ver muita coisa. Foi bom, a gente deu um pouco mais de ênfase na parte física, na parte de musculação. Mas foi um mês e meio. Apesar de ter dado uma ajuda, ainda não faz aquela diferença gritante. Mas vamos ver durante a competição – explicou.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.