Foto: assessoria

Hoje comemoramos o Dia da Consciência Negra, data criada na década de 60 para reflexão sobre o sistema escravista e os direitos dos afro-descendentes. 20 de novembro foi a data da morte de Zumbi dos Palmares, personagem principal da resistência à escravidão no Brasil, que foi morto ao tentar mostrar a importância da cultura e do povo africano na manutenção da cultura nacional e principalmente, lutar pelo direito de cada indivíduo de ser livre e por ir e vir quando quiser, ter o livre arbítrio.

Peço aos leitores que reflitam sobre a importância dessa data e não a veja anualmente apenas como mais um feriado. Relembrem dados históricos para auxiliá-los na construção de tal consciência. Quando falamos em escravização dos negros, a impressão é de que isso ocorreu há centenas de anos, porém, o fim do cerceamento dos direitos dos negros só ocorreu em 1888, quando a filha de Dom Pedro II, Princesa Isabel, sancionou a Lei Áurea, que abolia a escravatura.
Em Rondonópolis, o Movimento Negro é o disseminador dessa consciência, que através de ações de inclusão, conquistou resultados importantes para os afro-descendentes.

Leia também:  Privacidade Digital: Direito ou Necessidade?

O projeto mais conhecido capitaneado pelo Movimento é o cursinho pré-vestibular gratuito, que atende muito além da cor, da descendência. A escola dá oportunidade a pessoas com baixa renda de ingressar no ensino superior e como conseqüência ter sucesso profissional e conquistar uma vida digna. Outra luta importante do Movimento é na criação de sobrevagas na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e aumento no percentual de cotas.

Por entender a gênese da questão, a Câmara Municipal tem sido parceira do Movimento, dando voz e ecoando essas ações através do voto. Nós, vereadores, temos a consciência do dever junto a toda a comunidade de Rondonópolis e em especial, a camada com baixa renda, que enfrenta muitos problemas para conquistar o devido espaço na sociedade.

Leia também:  Sistema Penitenciário e omissão estatal

É difícil corrigir 500 anos de exclusão e entender as razões que alimentam o preconceito e a discriminação a cultura afro, que é parte do nosso dia-a-dia, da música que ouvimos, da gastronomia, mas principalmente, ela está nas nossas veias, faz parte do nosso DNA.

Esqueçamos então, as designações de cores, etnias, raças, religiões. Vamos nos unir em torno do amor e com ele garantir a construção de uma sociedade mais justa e inclusiva.

Salve a Consciência Negra!
Salve Zumbi dos Palmares!
Vivas a Princesa Isabel e ao Movimento Negro!
Axé a todos

Ananias Filho é presidente da Câmara Municipal de Rondonópolis.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.