Foto: Varlei Cordova/AGORAMT

“Foi uma bagunça, um verdadeiro quebra-quebra. Tinha gente gritando, depredando vasos de plantas, o telefone público. Um aluno que não identificamos entrou com moto nos corredores da escola e chegou até tomar um tombo.” Com estas palavras a diretora da Escola Estadual Joaquim Nunes Rocha tentou descrever o que aconteceu no início da noite de segunda-feira em sua escola e que só terminou com a intervenção da Polícia Militar.

A diretora Cristiane Carvalho Dorileo explicou há alguns anos todos os alunos são avaliados no “Simulado do ensino Médio” uma espécie de “provão” que é uma forma encontrada para saber como anda o processo de ensino e aprendizagem do grupo.
Ela lembrou que para ter um aproveitamento maior de todos no “Simulado” eles resolveram cobrar uma taxa de 2 reais que é usado para fazer a cópia da avaliação. Desta forma só faz quem paga o valor.
O problema começou quando quem não pagou queria ter acesso a avaliação. Tentamos explicar que não haveria condições para isso, uma vez que as provas que estavam lá pertenciam aos alunos que pagaram, mas o vandalismo começou. Explicou a diretora.
O Simulado do Ensino Médio acontece há oito anos e não é usado como forma de prejudicar o aluno. “a nota é para somar nunca para tirar” tanto é que ninguém é obrigado fazer a avaliação. Finalizou a Diretora

Leia também:  Dupla é presa por tráfico em Rondonópolis
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.