Está marcada para acontecer nesta terça-feira (08/11) na 3ª Vara Criminal do Fórum da Comarca de Rondonópolis, a partir das 8 horas da manhã a audiência de instrução e julgamento para inquirição de testemunhas e do réu denunciado como mandante das mortes dos irmãos Brandão Araújo Filho e José Carlos Machado Araújo, crimes ocorridos em 1999 e 2000 respectivamente.

O empresário Sérgio Marchetti deve ser o único a ser ouvido pela juíza Aline Luciane Ribeiro Viana Quinto, uma vez que o processo foi desmembrado e os outros denunciados Mônica Marchetti, o advogado Ildo Roque Guareschi, além dos ex-Policiais Militares Célio Alves de Souza, Hércules Araújo Agostinho e o Capitão PM Marcos Divino Teixeira da Silva, já foram ouvidos ou aguardam suas respectivas audiências.

Leia também:  Governo paga servidores da ativa nesta segunda-feira (10)
Vinicius Vargas Leite e Gustavo Medeiros Araújo são os advogados da família dos "Brandão" - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

Para a família das vítimas o momento é de grande expectativa, uma vez que a audiência desta terça-feira é um “passo importante”, declarou o advogado e neto das vítimas Gustavo Medeiros Araújo.

Já o advogado Vinícius Vargas Leite, que representa a família das vítimas no processo, também foi comedido ao fazer qualquer avaliação do que pode acontecer na audiência e declarou que prefere continuar acreditando num velho ditado popular que diz: “Antes tarde do que nunca.” Ao lembrar que já se passaram 12 anos da morte de Brandão e 11 anos da morte de “Zezeca.”

Na lista de testemunhas de defesa dos réus aparecem nomes de empresários e políticos da cidade e do exterior e até mesmo do “Comendador” João Arcanjo Ribeiro, atualmente preso no Presídio Federal de Campo Grande (MS).

Leia também:  Sete ficam feridos após carro bater em poste e capotar durante a madrugada em Porto Alegre

A audiência em torno do caso gera muita expectativa, principalmente para o momento em que uma das testemunhas de acusação a ser ouvida é o agricultor Antônio Carlos Machado de Araújo, irmão dos mortos e que só não foi assassinado uma vez que os “pistoleiros” ao encontrá-lo em uma cadeira de rodas se restabelecendo de um problema de saúde tiveram “piedade” e permitiram que ele continuasse a viver.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.