A falta de manutenção das ambulâncias do Serviço de Atendimento de Urgência (SAMU) e a negligencia da prefeitura municipal de Rondonópolis, teriam sido os culpados pela morte de cidadão no município, no segundo semestre de 2010, pelo menos, é o que acusa o relatório confeccionado por médicos e profissionais do SAMU, entregue nesta quarta-feira (16/11) aos vereadores do município.

O dossiê, além da morte do paciente não atendido ainda aponta vários pontos de precariedade do serviço, que na maioria dos últimos dias tem trabalhado na maioria das vezes apenas com uma ambulância, para atender aproximadamente 200 mil habitantes, e ainda ocorrências em raio de até 90 km.

Desde começo da administração do prefeito José Carlos do Pátio (PMDB), O SAMU de Rondonópolis enfrenta sérios problemas.

Leia também:  INSS local deve ter médico perito
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.