Foto: Internet

A compulsão alimentar é um dos Transtornos Alimentares mais comuns, e caracteriza-se pelo consumo regular de uma grande quantidade de comida de uma vez só, ou constantemente, mesmo quando não tem fome, associado a algumas características de perda de controle e não acompanhado de comportamentos compensatórios extremos para a perda de peso como vômito e uso de laxantes, como no caso da bulimia.

 Não se caracteriza como comer compulsivo o fato de a pessoa comer grande quantidade num almoço de domingo, sentindo prazer durante a refeição e consciente de que está exagerando na quantidade.Estudos revelam que a prevalência de compulsão é igual nos dois sexos, mas as mulheres procuram mais o tratamento do que os homens.

Leia também:  Conheça os dez malefícios causados pelo refrigerante

Os episódios de comer compulsivo são mais freqüentes no período da noite, onde as outras pessoas não estão para censurar, e comem até se sentirem empanturradas, seguido de sentimentos de culpa, ansiedade, raiva do ato de comer, perda do controle do próprio corpo e vergonha.

A ansiedade e estresse são os principais fatores que levam ao aumento das compulsões alimentares, pois aumentam a secreção de cortisol, que estimula a ingestão de alimentos e o consequentemente o aumento de peso.

Para caracterizar a compulsão alimentar a pessoa deve fazer no mínimo dois episódios de ingestão alimentar compulsiva por semana, no período de 6 meses, e obedecer aos seguintes critérios:

– Episódios repetidos de compulsão;

Leia também:  Comer quando você deveria estar dormindo engorda ainda mais!

Durante a ocorrência dos episódios, devem estar presentes no mínimo três dos indicadores abaixo:

– Comer muito mais rápido que o normal;
– Comer até sentir-se desconfortável fisicamente;
– Ingerir grandes quantidades de comida, mesmo estando sem fome;
– Comer sozinho por sentir-se envergonhado da quantidade de comida ingerida;
– Sentir-se culpado e/ou deprimido após o episódio.

Tendo em vista as várias doenças relacionadas com a obesidade que essas pessoas estão propensas, como hipertensão, diabetestipo 2 e dislipidemias (aumento das gorduras sangüíneas) juntamente com o descontrole no hábito alimentar, é fundamental o acompanhamento de uma equipe multidisciplinar com médico, psicólogo e nutricionista para evitar os episódios de comer compulsivamente e da mudança gradativa nos hábitos alimentares.

Leia também:  Azeite só faz bem na salada?

Camila Rebouças de Castro
Nutricionista – CRN-3 14.112

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.