Foto: Internet

A compulsão alimentar é um dos Transtornos Alimentares mais comuns, e caracteriza-se pelo consumo regular de uma grande quantidade de comida de uma vez só, ou constantemente, mesmo quando não tem fome, associado a algumas características de perda de controle e não acompanhado de comportamentos compensatórios extremos para a perda de peso como vômito e uso de laxantes, como no caso da bulimia.

 Não se caracteriza como comer compulsivo o fato de a pessoa comer grande quantidade num almoço de domingo, sentindo prazer durante a refeição e consciente de que está exagerando na quantidade.Estudos revelam que a prevalência de compulsão é igual nos dois sexos, mas as mulheres procuram mais o tratamento do que os homens.

Leia também:  Rótulos de certas águas de coco não são confiáveis, diz Proteste

Os episódios de comer compulsivo são mais freqüentes no período da noite, onde as outras pessoas não estão para censurar, e comem até se sentirem empanturradas, seguido de sentimentos de culpa, ansiedade, raiva do ato de comer, perda do controle do próprio corpo e vergonha.

A ansiedade e estresse são os principais fatores que levam ao aumento das compulsões alimentares, pois aumentam a secreção de cortisol, que estimula a ingestão de alimentos e o consequentemente o aumento de peso.

Para caracterizar a compulsão alimentar a pessoa deve fazer no mínimo dois episódios de ingestão alimentar compulsiva por semana, no período de 6 meses, e obedecer aos seguintes critérios:

– Episódios repetidos de compulsão;

Leia também:  Proteína de origem vegetal pode evitar a menopausa antes da hora

Durante a ocorrência dos episódios, devem estar presentes no mínimo três dos indicadores abaixo:

– Comer muito mais rápido que o normal;
– Comer até sentir-se desconfortável fisicamente;
– Ingerir grandes quantidades de comida, mesmo estando sem fome;
– Comer sozinho por sentir-se envergonhado da quantidade de comida ingerida;
– Sentir-se culpado e/ou deprimido após o episódio.

Tendo em vista as várias doenças relacionadas com a obesidade que essas pessoas estão propensas, como hipertensão, diabetestipo 2 e dislipidemias (aumento das gorduras sangüíneas) juntamente com o descontrole no hábito alimentar, é fundamental o acompanhamento de uma equipe multidisciplinar com médico, psicólogo e nutricionista para evitar os episódios de comer compulsivamente e da mudança gradativa nos hábitos alimentares.

Leia também:  Jack Johnson fará dois shows no Brasil em novembro

Camila Rebouças de Castro
Nutricionista – CRN-3 14.112

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.