A Polícia Civil cumpriu um mandado de busca na casa do deputado estadual Gilmar Fabris. Foto: Jupirany Devillart/AL

Apurar crimes contra a administração pública, estelionato, fraude processual, peculato, corrupção e formação de quadrilha esses são os objetivos da operação “Cartas Marcadas”, realizada nesta quarta-feira (14/12) pela Delegacia Especializada em Crimes Fazendários de Mato Grosso que visa esclarecer o pagamento de certidão de cartas de créditos de um grupo de agentes fazendários.

Serão cumpridos 14 mandados de busca e apreensão e seis de prisão temporária em Cuiabá, Várzea Grande, Chapada dos Guimarães Torixoréu e em Ribeirão Preto (SP). Até o momento duas pessoas já foram presas.

De acordo com a assessoria da Polícia Civil um dos mandados de busca foi cumprindo na casa do deputado estadual Gilmar Fabris (PSD), mas não foi informado o que teria sido apreendido.

Leia também:  Palanque sem deputados e senadores

Como a operação está em andamento, ainda não foram mencionados nomes dos acusados nem mais detalhes sobre as buscas e apreensões.

As investigações iniciaram em julho deste ano, com a denúncia do pagamento em valores muito acima dos efetivamente devido. Um representante da categoria dos agentes fazendários teria se apropriado indevidamente de parte dessas cartas emitidas pelo Estado e estaria negociando as cartas acima do valor permitido.

O Governo Estadual determinou à Auditória Geral que realizasse um levantamento detalhado, onde constatou que eram feitos acordos extrajudicial, resultado em prejuízo ao erário público. Segundo o delegado responsável pela operação, Lindomar Tofolli, o governador ao tomar conhecimento das irregularidades determinou a suspensão de toda e qualquer compensação das cartas de créditos.

Leia também:  Vereador diz que está envergonhado por ser político
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.