Foto: arquivo AGORA MT

Representantes da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e da Casa do Adolescente Sagrada Família estiveram presentes na tarde desta terça-feira (29/11), na Câmara Municipal de Rondonópolis, onde apresentaram aos vereadores os problemas pelas quais as entidades vêm passando por conta da falta de efetivo profissional.

De acordo com o presidente da Apae, Galeno Tadeu Esteves, a associação não tem condições de atender mais alunos. “Há dois anos tínhamos 189 alunos e, hoje, são 300 alunos. A demanda cresceu muito e nós chegamos ao limite”, expôs.  Galeno explicou que para continuar prestando um bom atendimento aos alunos da entidade, é preciso que seja contratado, de forma urgente, profissionais como fisioterapeutas, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais e psicólogos, entre outros.

Em razão disso, o presidente da Apae pediu aos vereadores que intercedessem junto ao prefeito José Carlos do Pátio, para tentar solucionar o problema da associação. “Nós já temos apoio da prefeitura e governo do Estado, que nos ajudam na manutenção da Apae, porém, não há mais como trabalhar com o efetivo que temos hoje. Só com a ajuda da prefeitura podemos resolver esta situação”, ressaltou.

Leia também:  Mas, é a mãe ou a filha?

O mesmo pedido foi feito pelo presidente da Casa do Adolescente, Josué Sobrinho, e a vice-presidente, Edinusa Rodrigues. Conforme os representantes da entidade, atualmente são atendidas 100 crianças, de seis a 15 anos, que ficam na entidade das 7hs às 17hs. Para isso, a Casa conta com três especialistas e mais dois funcionários cedidos pela prefeitura, no entanto, esse número não é suficiente para atender a demanda. Segundo Edinusa, é preciso cinco especialista e cinco funcionários.

A vice-presidente da Casa do Adolescente ainda colocou para os vereadores a necessidade de um aumento da subvenção que é repassada mensalmente pela prefeitura para a entidade, no valor de R$ 10 mil. “O que temos hoje não tem sido suficiente para atendermos nossos alunos”, esclareceu.

Após ouvir os representantes da entidade, o presidente da Câmara, Ananias Filho, assegurou que todos os vereadores irão trabalhar para tentar solucionar os problemas relatados durante a reunião. “Nós vereadores não podemos fazer nenhum projeto em relação às solicitações apresentadas aqui hoje, mas, podemos interceder junto ao prefeito para que o Executivo Municipal possa elaborar projetos que autorizem a contratação desses profissionais e encaminhe para que nós vereadores possamos votar o mais urgente possível”, relatou.

Leia também:  Dia sem imposto vende etanol a R$ 1,95 em Rondonópolis

Ananias pediu ao presidente da Apae que elabore um relatório com todas as necessidades da associação para que o mesmo seja apresentado ao prefeito. “Assim que estivermos com esse relatório em mãos vamos buscar uma solução junto a prefeitura e também ao governo do estado”, afirmou.

Quanto à Casa do Adolescente, que já tem um relatório elaborado, o presidente do Legislativo Municipal, designou três vereadores, Adonias Fernandes, Mohamed Zaher e Reginaldo Santos, para cuidarem do caso. Segundo Ananias, o primeiro passo é marcar uma reunião com a secretária de Promoção e Assistência Social, Neuma de Morais, para tratar da possibilidade de ceder mais profissionais para a Casa do Adolescente e discutir a ampliação da subvenção.

Ampliação da Apae

Durante a reunião com os vereadores, a diretora da Apae, Karla Paes, pontuou mais um problema que a entidade precisa resolver com urgência. Segundo Karla, ao que tudo indica, a demanda pelo atendimento da associação só tem a crescer e, como consequência, o espaço físico atual da Apae vai ficar pequeno para atender tantos alunos.

Leia também:  Rondonópolis se destaca em Campeonato Brasileiro de Jiu Jitsu e ganha 25 das 40 medalhas

De acordo com a diretora, a Apae possui um terreno de 5 mil metros quadrados, localizado ao lado do Caic, na região da Vila Operária, doado pela prefeitura, contudo, há uma preocupação de que a área precise ser devolvida ao Executivo Municipal por conta do prazo para a construção. “Já tem 12 anos que ganhamos esse terreno, mas ainda não tivemos condições de construir, apesar de estarmos com o projeto pronto. Nosso medo é que o prazo para construir vença e a gente acabe perdendo essa área”, explicou.

Diante desse fato exposto pela diretora da Apae, o presidente da Câmara pediu que tal problema também fosse relacionado no relatório  a ser apresentado pela associação para que o assunto possa ser discutido junto com o prefeito. “Faremos tudo que estiver ao nosso alcance, pois sabemos da importância da Apae para o nosso município”, afiançou Ananias.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.