Médicos confirmam o pedido de demissão em massa. Foto: Varlei Cordova/AGORA MT

A maioria dos médicos do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) decidiram, hoje (29), pela demissão em massa e desligamento dos municípios de Campo Verde e Primavera do Leste da central de regularização.

Os médicos explicaram que a decisão é reflexo do descaso e falta de respeito do poder público para com a categoria, que os tratam com mercenários que buscam apenas remuneração.

O médico Leonardo Gul, afirmou a partir do dia 01 de janeiro Campo Verde e Primavera do Leste deixam de ser reguladas por Rondonópolis. No dia seguinte, 02 de janeiro, será protocolado o pedido de demissão em massa dos médicos nos órgãos competentes, e num prazo de 30 dias o SAMU deve estar médicos.Na próxima semana o SAMU terá menos quatro médicos que já pediram demissão e até o momento não houve contratação para cobrir as vagas deixadas.

Leia também:  Escola Estadual que custou R$ 5,3 milhões é inaugurada em Rondonópolis

“É muito dolorida a decisão, mas não há mais possibilidade de trabalharmos nessas condições, sem estrutura, sem ambulância. Infelizmente a população será a maior prejudicada, mas tudo isso é resultado do descaso dos governantes. A questão não é salarial, pois não teríamos dificuldade de conseguir outro emprego com remuneração igual ou maior, estamos no SAMU porque gostamos do que fazemos, mas tudo tem limite”, declarou Gul.

O médico Nilson Albers disse que não se pode mais deixar os governantes mentirem para população dizendo que esta tudo bem e por em risco a vida da equipe e das pessoas que recebem socorro. “É lamentável, mas estamos há dois anos batalhando por melhorias e nada é feito, semana passada quase fui lançado para fora da ambulância porque a porta estava com defeito. A população reclama por falta de atendimento, mas só temos uma viatura para atender todas ocorrências e assim mesmo em situação precária”, relatou o médico.

Leia também:  Mulheres tentam embarcar com 80 kg de maconha, mas acabam detidas

Os médicos permanecem no SAMU por 30 dias, prazo exigido por lei, mas afirmaram que estão dispostos a mudar de opinião caso as reivindicações sejam atendidas. Os profissionais concluíram frisando que a busca pela melhoria no SAMU é uma causa coletiva, de toda população e não apenas dos médicos.

Matérias relacionadas

Médicos do Samu podem decidir por demissão coletiva

Pátio deixa reunião que termina sem acordo

Vereadores pedem para médicos do Samu não se demitirem

Vereador verifica más condições de trabalho durante visita no Samu

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.