As longas filas de espera por atendimento no Sistema Único de Saúde e os número de óbito por falta de atendimento levaram o Ministério Público Estadual a notificar nesta sexta-feira (16/12) o Estado e a Secretaria de Estado de Saúde para resolver os problemas de precariedade no atendimento à população.

Na notificação recomendatória o promotor de justiça, Ari Madeira, relata que “existem dezenas de pessoas esperando na fila sem previsão de atendimento para fazer cateterismos, cineangio, angioplastias, revascularização, próteses etc., sendo que algumas pessoas pacientes morreram recentemente enquanto estava internadas na Santa Casa de Misericórdia e outras que foram mandadas embora ou pediram alta em razão da demora”.

Leia também:  Inscrição do Ensino Médio e Superior do IFMT Rondonópolis encerra dia 8 de outubro

O promotor recomendou que se providenciado, no prazo de 48 horas, a contratação e o custeio dos exames, procedimentos e cirurgias (cateterismos, angioplastias, revascularizações, cineangio, próteses etc.), em hospital conveniado do SUS ou, se inexistente a vaga, a contratação e o custeio da cirurgia em hospital da rede privada.

Madeira pede com o envio da resposta à Promotoria de Justiça de Rondonópolis no prazo de três dias.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.