A Polícia Militar (PM) registrou na tarde desta segunda-feira (09/01) dois casos de agressão à mulher. Nas duas ocorrências as vítimas foram agredidas pelos ex-companheiros, uma no bairro Jardim das Flores e outra no bairro Coophalis.

No bairro Jardim das Flores a senhora Adriana Ferreira de Freitas foi agredida pelo companheiro, o frentista Denilson Lopes da Silva (31).  A vítima informou a PM que descobriu que estava sendo traída e então resolveu conversar com o frentista Denilson sobre o caso. Mas o rapaz não gostou e partiu para a violência.

Adriana contou que Denilson tentou estrangulá-la, porém ela conseguiu se soltar e correu em direção ao quintal da casa onde moram. O frentista conseguiu capturar a vítima próxima ao portão da residência e agarrou-a pelos cabelos e trancou Adriana dentro de casa. A vítima ficou com escoriações no pescoço e no pé direito.

Leia também:  Marido é suspeito de matar a facadas esposa grávida de três meses

De acordo com o Boletim de Ocorrência (BO), o suspeito abriu a porta e fugiu do local no momento em que vizinhos se aproximavam da casa.
Já no bairro Coophalis a dona de casa Crisdaiane dos Santos Lopes (26) levou socos do ex-companheiro, o tapeceiro Marcio Mendes da Costa (36).
Crisdaiane contou a PM que está separada a três semanas do suspeito e que desde então sofre ameaças e perseguições do tapeceiro Marcio.

A vítima afirma que estava na casa de sua tia quando Marcio ligou e disse que pegaria a roupa na lavanderia e queria entregar para ela, mas Crisdaiane disse que não queria ficar sozinha com o suspeito. O tapeceiro Marcio então foi até a casa da tia da vítima e puxou-a para dentro do carro, momento em que a agressão começou.

Leia também:  União de forças garante inserção social de catadores

De acordo com o Boletim de Ocorrência (BO), Marcio pediu para que Crisdaiane tirasse a filha do carro, pois ele a mataria. O suspeito só não arrancou com o carro porque Crisdaiane conseguiu tirar a chave da ignição, se soltou do suspeito e foi amparada pela tia logo depois. Crisdaiane afirma que essa não é a primeira vez que é agredida pelo ex-companheiro na frente dos filhos.

Nos dois casos as vítimas foram até o Centro Integrado de Segurança e Cidadania para registro do BO.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.