Segunda reunião desta quarta-feira para resolver o problema dos médico do SAMU. Foto: Varlei Cordova/AGORA MT

Após várias tentativas de reunião os vereadores, o secretário de Saúde, Valdecir Feltrin, o coordenador, Adriangelo Magalhães, e os médicos do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) chegaram a um possível acordo quanto a negociação salarial da categoria. Esta é a segunda reunião que ocorreu hoje (18/01) para resolver o problema, ontemmais cinco médicos pediram demissão do cargo.

Por intermédio dos vereadores houve alguns avanços nas negociações, como por exemplo, o pagamento mensal de R$ 8.400, a garantia de direitos como férias, décimo terceiro e amparo em caso de afastamento por acidente, doença ou gestação, o plantão de 24h semanais sem o pagamento de produtividade.

O secretário argumentou que a proposta é praticamente a mesma apresentada à categoria, que recusou por entender que perderiam os benefícios conquistados. Contudo Feltrin esclareceu que a negociação dependerá do consentimento do prefeito José Carlos do Pátio que não concorda com outros trabalhadores com a remuneração superior ao secretário da pasta, e também a redução do plantão de 30h para 24h semanais e o aumento de 13 para 15 médicos contratados para realizados o atendimento no SAMU.

Leia também:  Pátio exagera e diz que bancada federal dá a vida por Rondonópolis

Ao término da reunião Feltrin afirmou que irá confeccionar o projeto de lei e apresentar ao prefeito para ser encaminhado para aprovação dos vereadores e frisou que irá procurar uma segunda alternativa para o problema, caso Pátio não concorde com a negociação, oportunidade que sugeriu a regulação do SAMU por Cuiabá para reduzir a quantidade de médicos.

O presidente da Câmara, Ananias Filho, expôs que o secretário está correto em buscar outras alternativas, mas acredita que não haverá dificuldades na criação do projeto para reajuste salarial dos médico e assim o problema chegará ao fim. “Estou satisfeito, acho que evoluímos bastante e estamos próximos a uma solução. É inadmissível que a população seja penalizada em meio a esse conflito”, ressaltou Ananias.

Leia também:  1ª Trans tem seu nome social incluído ao CPF em Rondonópolis

O representante dos médicos do SAMU, Fernando Augusto Borges de Oliveira, disse que agora é só esperar a apresentação com as alterações da proposta para se reunirem e colocar fim ao problema e caso alguém continue descontente com a remuneração estará livre para pedir demissão.

O projeto de lei que prevê o reajuste dos médicos do SAMU deve ser votado pelos vereadores na próxima quarta-feira (25/01), caso chegue na Câmara Municipal a tempo.

Ambulâncias

O secretário relatou que infelizmente o problema com das ambulâncias é de competência do governo federal, que deve ser trocadas os veículos a cada três anos ou 300 mil quilômetros, o que não tem acontecido, porém a solicitação já foi apresentada.

Leia também:  Verba da merenda será complementada e materiais estão disponíveis no Almoxarifado da Educação
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.