Uma pesquisa do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) aponta que Mato Grosso é o 3º Estado do país na taxa de frequência líquida de estudantes do Ensino Médio (de 15 a 17 anos), os dados mostram as ações implementadas e apontam que 60,9% dos alunos matriculados estão nas salas de aula regularmente. A primeira classificação é do Distrito Federal com 68,8% seguido por Goiás com taxa de 64,1%.

De acordo com a secretária de Políticas Educacionais da Seduc, Fátima Resende , foram implementadas uma série de ações, como a oferta do Ensino Médio Inovador, o Ensino Médio Integrado Profissionalizante, Ensino Médio por Semestralidade Noturno, foram estratégias empregadas para o fortalecimento do processo educacional destinado a esse público.

Leia também:  Taques reclama e mesmo com protestos confirma Unemat em Rondonópolis

Entretanto, a secretário pondera que Mato Grosso sempre se antecipou, como por exemplo, na distribuição dos livros didáticos para todas as áreas do conhecimento. Outro ponto citado é o fato de que desde 2007, antes mesmo do MEC prever o financiamento, o Estado já servia merenda para estudantes do Ensino Médio, com recursos próprios. Hoje, um total de 421 unidades escolares, das 727 existentes no Estado, ofertam o lanche no Ensino Médio.

A pesquisa aponta ainda a taxa de frequência líquida (para estudantes de 6 a 14 anos) para os estudantes do Ensino Fundamental. Nela, Mato Grosso obteve a 12ª classificação com a expressiva taxa de 90,9%, nas 424 unidades que ofertam o Fundamental. Uma posição expressiva já que o primeiro colocado no raking do Ensino Fundamental, Mato Grosso do Sul, atingiu uma taxa de 94,4%. A secretária frisou que a metodologia de trabalho empregada, o Ciclo de Formação Humana, compreende uma maneira de organização de tempos e espaços escolares dos estudantes de forma a se adequar melhor a educação escolar às características biológicas e culturais do desenvolvimento de todos os alunos.

Leia também:  Secitec abre 303 vagas para professores bolsistas do Pronatec nesta terça-feira (30)

Pesquisa IPEA

O Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) empregou dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) – para análise e tabulação dos dados. Foram pesquisadas mais de 8,3 mil escolas públicas do Centro-Oeste.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.