Vereador Fulô e o presidente da Associação dos Moradores do DIstrito de Boa Vista, Aldenir. Foto da assessoria

Aproximadamente 20 famílias que dependem financeira da comercialização de produtos na margem da BR 364, km 236, no distrito de Boa Vista, em Rondonópolis, sairão dessa situação de risco que passam diariamente para ter renda mensal. O vereador Lourisvaldo Manoel de Oliveira (Fulô) informa que uma área de três mil metros quadrados, um pouco mais recuada da estrada está em fase de terraplanagem para abrigar ali os quiosques para venda dos produtos. A área será cedida para os autônomos ainda nesse primeiro semestre.

“Essa é uma ação muito importante, porque as famílias dependem desse trabalho e estão expostas ao risco, bem como é um perigo para quem está na estrada”, pontua o legislador. Ao longo da BR 364, comenta Fulô, entre Rondonópolis e Cuiabá temos várias cidades com esse mesmo problema, em que os moradores vivem do comércio de “beira de estrada”. “Infelizmente, alguns se arriscam mais e ficam no meio da rodovia oferecendo frutas e outros produtos. Estamos regularizando essa situação para ajudar os comerciantes e evitar acidentes”, destaca Fulô.

Leia também:  Câncer de Marcelo Rezende avança e jornalista tem falência múltipla de órgãos decretada

Há um mês atrás o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) emitiu ordem para que estes comerciantes deixassem em 48 horas a área de domínio público, como é denominada juridicamente toda  margem de rodovia, no entanto, com a intervenção do vereador ficou acordada a dilação desse prazo para que o município conseguisse preparar uma área para abrigar estes profissionais.

O presidente da Boa Vista, Aldenir Mesquita explica que a área cedida pela Prefeitura abrigará mais de 20 barracas que deverão ser construídas pelos próprios comerciantes. A prioridade foi dada àqueles que já trabalham no local. “Esses moradores tem essas barracas aqui há muito tempo e as famílias dependem desse sustento. Ainda bem que o Dnit aceitou esperar um pouco mais até que todos recebam uma área nova”, pontua.

Leia também:  É preciso ter coragem para ser você

Fulô acrescenta que existe a possibilidade de conseguir uma forma de financiamento para que esses profissionais consigam crédito para fazer quiosques de alvenaria, para criar um ambiente mais atraente para os turistas em trânsito e fomentar o comércio.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.