Pessoas que participaram do concurso em Alto Taquari - Foto: Assessoria / Grupo Atame

Um grupo de professores de Alto Taquari está entrando com recurso para pedir a revisão da prova do concurso realizado no fim de semana na cidade. Os professores alegam que quatro questões que faziam parte da prova continha algum tipo de erro.

Sara Netzlaff que prestou concurso para o cargo de pedagoga afirmou que percebeu o erro ao conferir as respostas no gabarito disponibilizado pela empresa Atame de Cuiabá (responsável pela elaboração das questões) depois do fim da prova. “Fui conferir para ver meus acertos e notei que havia irregularidade em algumas questões. Vou recorrer, já que me senti lesada devido aos erros que pode prejudicar o resultado final do concurso”, fala.

Leia também:  GAECO | Operação “Convescote” já prendeu ex-vereador e ex-secretário

Assim como Sara outros profissionais também vão pedir a revisão do processo seletivo porque se sentiram prejudicados, entre eles estão, Ana Priscila, Maria Angélica, Edna Porto, Roseli Pardo, Elaine Prado, Aletéia Matos, Fernanda Nogaroto, Thais Salatiele e Aletheia Blau.

Sara afirmou que a Secretaria de Educação de Alto Taquari está apoiando a decisão dos professores e que a própria pasta está instruindo o que deve ser feito nesse caso. A reportagem do AGORA MT tentou falar com a secretária de Educação, mas ela não foi encontrada para comentar o ocorrido.

Já o administrador do Grupo Atame, Silvio Fachio, afirmou que o recurso está disponível pelo site da empresa e que os professores tem até amanhã às 18h para pedir revisão. De acordo com Silvio não está descartada a possibilidade de erros na prova e se caso seja comprovado às questões serão anuladas e os pontos vão para todos que fizeram a prova.

Leia também:  Parceria oferece atendimento jurídico gratuito nas unidades do Ganha Tempo

Silvio explicou que as perguntas são elaboradas por professores de Cuiabá com todo o cuidado, mas que mesmo assim não está livre de erros. “Os casos serão analisados e o melhor será feito para que ninguém se sinta prejudicado”, alega.

 

 

 

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.