Faixa de greve dos servidores.Foto da assessoria

A greve dos servidores efetivos das Escolas Técnicas Estaduais (Secitec) completam nesta quarta-feira (08/02) três meses de paralisação e não tem previsão para terminar, os funcionários afirmam que desde o inicio da manifestação, no mês de novembro, até o momento o Governo do Estado não procurou a categoria.

“A impressão que temos é que o Governo Estadual, devido ao recesso de fim de ano, ainda nem percebeu que a categoria está paralisada. A comunidade escolar, por sua vez, tem sofrido algumas consequências com o movimento grevista por conta da falta de professores de determinadas áreas de conhecimento e pela ineficiência de serviços administrativos devido à falta de servidores”, ressalta a professora Leila Aoyama.

Leia também:  Governo desbloqueia R$ 12,8 bilhões do Orçamento

Já para o servidor Gleyson Cezar Leme da Silva, “o governo do Estado trata com descaso a categoria da Educação Profissional o que é uma pena, já que está categoria que promove a qualificação profissional dos trabalhadores, que vão atender inclusive a demanda para a copa do mundo que o Governo tanto prioriza”.

Para o presidente do sindicato, Valdivino de Souza Barbosa, “a luta ganhou força através de uma ação do Ministério Público Estadual que pede a realização de um novo concurso público para atender nossas escolas”. Indignado, alega ainda que tentou por várias vezes negociar com o Governo, mas nunca obteve uma resposta positiva.

Além de um novo PCCS (Plano de Cargos, Carreiras e Salários) a categoria luta pela realização de um novo concurso público, pela implantação da gestão democrática nas escolas, um programa de qualificação profissional para técnicos e professores e um aumento nos investimentos nas Escolas garantidos por lei.

Leia também:  CRAS realizará atividades em comemoração ao Dia do Idoso
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.