O ex-governador e atual deputado federal, Carlos Gomes Bezerra, fez uma declaração na imprensa do Estado sobre o senador Pedro Taques taxando-o de aprendiz.

Obviamente de forma transversa se jacta ao posto de “experiente”, na verdade é, Carlos Bezerra iniciou sua carreira política na década de 70 e teve tal qual os jogadores de futebol da época bons momentos em campo. Combateu de forma veemente a ditadura, depois colheu os louros disto, galgando quase todos os postos no mundo da política.

Chama neste momento Senador Pedro Taques de aprendiz também de forma pensada, mas, o efeito disto, novamente usando o futebol para comparar, é o mesmo que colocar um dos zagueiros da copa de 70 para tentar barrar o Neymar.

Leia também:  O exercício da Fraternidade Ecumênica

O senador Pedro Taques obviamente não conhece todos os segredos da política, mas, ninguém nasce sabendo, é necessário se aprende no caminho, importante é o alicerce, afinal nunca vi casa ser construída do telhado pra baixo.

Como sabiamente respondeu Pedro taques, muito do que se chama de experiência na política brasileira, melhor seria que o político nunca aprendesse, dai talvez tenha surgido o provérbio, “as leis e as salsichas, melhor não saber como são feitas”.

Voltando a experiência, precisa ser aliada a suor, de nada vale a experiência se não for transformada em ações.

Vejam bem, nossos parlamentares não são dados a atividade principal do parlamento, o leitor a de concordar que nossos parlamentares mais experientes, não são destaque no parlamento por isso. A própria propaganda que fazem sugere serem carreadores de recursos para o Estado, pois bem, a duplicação do trecho da Serra de São Vicente, já está próximo de completar duas décadas e não está concluída.

Leia também:  Quando até a indignação é corrompida

No Estado de Minas Gerais,  qualquer cabaré de beira de estrada tem uma universidade, são 17 ao todo, Mato Grosso tem uma que serve o Estado, mal e porcamente (exceto a capital). Quem duvidar visite os centros no interior e pergunte sobre como é feita a divisão dos recursos.

Começo a perceber que a experiência no caso do político gera desalento, só pode ser isto, pois como conceber que na cidade de Welington Fagundes, Carlos Bezerra, Blairo Maggi, não tenha uma universidade, sendo que representa uma região com quase metade da população do Estado? Não tem uma faculdade de medicina ou um curso de direito, como pode uma simples travessia urbana demorar quatro anos para ser concluída e ao final tem que ser refeita? Como pode a construção de um viaduto demorar mais de 15 anos para ser concluído?

Leia também:  Lula fingindo ser Lula

No “frigir dos ovos” até o adolescente no seu primeiro voto vai fazer a seguinte reflexão: “AÍ..véi..do que vale esta tal experiência? Vou de Taques ai, véi”. Amém.

José Antonio dos Santos Medeiros

Suplente Senado, PPS-MT

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.