(*)Nelson Valente

Era uma vez , dentro do gabinete oficial do Palácio do Planalto. Numa reunião com um prefeito e, criaram o “Cavalo de Troia” numa versão de “fazer política”: o que se diz de manhã, não se confirma a tarde e desmente-se a noite.

Se quiséssemos copiar aqui no Brasil o filme Branca de Neve e os sete Anões, de Walt Disney, criaríamos, sem dificuldades, outro belo conto infantil, recheado de personagens reais.

A presidência da República, no caso, seria a própria Branca de Neve, e seu príncipe encantado, o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva: Lula penetra no mundo das palavras como se entrasse num mosteiro com devoção, quase obsessivamente. É pouco dizer que ele é um erudito. É um curioso do tipo patológico, acrescido de um perfeccionismo obstinado. Esse homem brilhava por trás da barba.

Quanto aos anões, Atchin seria o Marco Aurelio Garcia, por estar sempre infestado em suas ventas com o virus da imaturidade e também de manter o seu nariz permanentemente arrebitado: para ser o Dengoso, ninguém melhor que o ministro Guido Mantega, personagem que se assanha a tudo possa trazer e prover dividendos; Feliz seria o ex-ministro José Dirceu, pois seu sorriso, nos últimos meses, sempre está de orelha a orelha; Zangado não poderia deixar de ser o ex-governador José Serra, a fama de cabeça-dura vai mais longe. Serra gosta de contestar até piada, diz um conhecido. Conforme a anedota lhe é contada, ele questiona cada parte, procurando lógica onde não há. O seu humor melhora ao longo do dia. Telefonemas a amigos na madrugada para comentar assuntos e projetos também é sua marca. Quando não está em público, é pavio curto, principalmente quando as coisas são mais lentas do que gostaria; Dunga é o próprio senador Demóstenes Torres, não só pelos seus caracteres físicos como também pelo seu comportamento político, nem sempre muito claro; para ser o Soneca – advinhem? Quem mais senão o ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, com seu jeito tranquilo de resolver todos os problemas com a FIFA; o Mestre seria, claro, o ex-ministro Fernando Haddad, com seus especiosos e detalhistas, senão ineficazes, instrumentos de avaliações, além de Enade, Enem, provinhas e provões, decretos-pontes, reformas universitárias, dilúvios de portarias ministeriais, micro (ou nano) regulatórias, enfim, uma parafernália de mudanças. Tudo muito bonito, mas efetivamente inócuo; Bruxa Malvada seria a Dilma Rousseff, conhecida pelo seu destempero verbal e extremamente arrogante na relação com ministros e outros homens públicos subservientes. Certamente fiel ao axioma: “Palavras loucas, ouvidos moucos”, que vez ou outra, consulta seu espelho mágico indagando:

Leia também:  O uso excessivo da internet causa doenças?

 

– “Espelho, espelho meu, existe alguém mais inteligente do que eu”?

 

– Sim!

 

-Quem?

 

– O “topa-tudo” da política brasileira. O Cavalo de Troia!

 

– Explique-se melhor Espelho Mágico?

 

– Sabe ou nuncasabe, ficou famoso por dizer que o partido não era de direita, nem de centro, nem de esquerda. O raciocínio seria engraçado não fosse colocado em prática ao pé da letra. Também topa uma boquinha no governo. É um dos ícones da política brasileira (para o bem e para o mal). Hora apoia o PT, em seguida o PSDB. É ou não a maior síntese da política brasileira?

 

– Quem ficou contra o Cavalo de Troia?

Leia também:  Mesma essência para nomenclatura diferente

 

O Flautista Levy Fidelix, o caçador de ratos astutos, alertando para o problema do Cavalo de Troia. O único a não acreditar na bondade do “topa-tudo” da política.

 

Há histórias que são emblemáticas, com toda a sua coorte de personagens, fatos e mensagens. Bruxas, fadas e duendes frequentam o imaginário do eleitor e a sua exploração deve ser feita de modo adequado pelos políticos que têm a responsabilidade de “fazer campanha”.

 

Veja-se o caso de “a lebre e a tartaruga”. Hoje, no mundo dos políticos, a “lebre ficou dormindo”, quando na verdade ela foi sacrificada pelo desejo de ser “esperta”, numa aplicação à fábula da nefasta “lei de Gerson”.

 

O emprego, nessas questões, da literatura infantil na política, representa um grande conforto, pois ideias, confrontos e interesses transbordam de um contexto extremamente prazeroso para os eleitores. Daí nasce a motivação do voto – e os resultados naturalmente constituem uma consequência desse processo eleitoral.

Leia também:  República dos grampos ilegais, CPI dos grampos já!!!

 

(*) é professor universitário, jornalista e escritor.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.