Foto da assessoria

“O Brasil ficou para trás”, disse o presidente da Comissão de Assuntos Sociais (CAS), senador Jayme Campos (DEM-MT), ao comentar nesta quarta-feira (21.03) o resultado do levantamento feito na América Latina sobre a produtividade do trabalhador brasileiro. No ranking divulgado, o país apareceu em 15º lugar, só perdendo para Bolívia e Equador.

“O trabalho no Brasil está na lanterna, emperrando o crescimento da sexta economia do planeta”, disse Jayme Campos, ao lembrar que, segundo o levantamento do instituto de pesquisa americano The Conference Board, o Brasil está atrás da Argentina, Chile, Colômbia, México, Venezuela e Peru. No cenário mundial, perde para 75 países. Jayme Campos atribuiu o resultado à falta de ensino público de qualidade, da baixa qualificação do trabalhador brasileiro, dos gargalos estruturais e do pouco investimento.

Leia também:  Ministério Público de Mato Grosso é o mais premiado do país

O presidente da CAS alertou para a necessidade de importar profissionais estrangeiros em vários setores e citou o exemplo da falta de engenheiros. “Na própria Petrobrás estamos assistindo à falta de profissionais especializados. O Brasil está perdendo competitividade”, disse.

O senador criticou o Projeto de Resolução do Senado (PRS) 72/2010 em tramitação no Senado, de autoria do senador Romero Jucá (PMDB-RR), o qual uniformiza a as alíquotas de ICMS para produtos importados. “Não é através de uma resolução que vamos discutir uma questão tão importante. Isto deveria ser iniciativa do Congresso Nacional”, reclamou.

Debate social – Jayme Campos recebeu o apoio dos senadores presentes na reunião da CAS. A senadora Vanessa Grazziotin (PC do B-AM), ao comentar a discussão sobre a Resolução no âmbito da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), sugeriu que a CAS participe do debate: “Precisamos ser incluídos nesta discussão, para que o debate seja feito pela ótica social. Precisamos garantir a competitividade e gerar emprego no país”.

Leia também:  Governo do Estado inaugura escola militar em Juara

O senador Paulo Paim (PT-RS) também defendeu a construção de uma proposta que alavanque o emprego. “O foco é dado na questão econômica, mas não há uma política compensatória. Na contrapartida, se o lucro aumenta, é preciso distribuir o lucro”, ponderou.

Os senadores da CAS decidiram apresentar um requerimento para incluir a Comissão no debate sobre a Resolução 72 e vão propor a realização de audiências públicas conjuntas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.