Foto geopolítica

Dados do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) apontam que Mato Grosso permanece como o Estado responsável pela maior parte da degradação da floresta Amazônica. O levantamento é referente ao mês de fevereiro.

Em fevereiro de 2012, o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) detectou 107 quilômetros quadrados de desmatamento na Amazônia Legal. Isso representou um aumento de 59% em relação a fevereiro de 2011 quando o desmatamento somou 67 quilômetros quadrados.

O desmatamento acumulado no período de agosto de 2011 a fevereiro de 2012 totalizou 708 quilômetros quadrados. Houve redução de 23% em relação ao período anterior (agosto de 2010  a fevereiro de 2011) quando o desmatamento somou 922 quilômetros quadrados.

Leia também:  Caminhoneiros bloqueiam rodovias em MT e fazem protesto contra aumento de impostos sobre combustíveis

Em fevereiro de 2012, a maioria (65%) do desmatamento ocorreu em Mato Grosso. O restante ocorreu em Rondônia (12%), Amazonas (10%), Roraima e Pará (7% cada).

As florestas degradadas na Amazônia Legal somaram somente 95 quilômetros quadrados em fevereiro de 2012. Em comparação a fevereiro de 2011, quando a degradação florestal somou 112 quilômetros quadrados, houve redução de 15%.  A maioria (70%) ocorreu em Mato Grosso seguido por Rondônia (15%), Roraima (9%), Pará (5%) e Amazonas (1%).

A degradação florestal acumulada foi 1.528 quilômetros quadrados para o período de agosto de 2011 a fevereiro 2012. Em relação ao período anterior (agosto de 2010 a fevereiro de 2011), quando a degradação somou 3.814 quilômetros quadrados, houve redução de 60%.

Leia também:  Inscrições para o CONPeduc 2017 estão abertas em Rondonópolis

Em fevereiro de 2012, o desmatamento detectado pelo SAD comprometeu 6,6 milhões de toneladas de CO2 equivalente.  No acumulado do período (agosto 2011 – fevereiro de 2012) as emissões de C02 equivalentes comprometidas com o desmatamento totalizaram 47 milhões de toneladas, o que representa uma redução de 14% em relação ao período anterior (agosto de 2010 a fevereiro de 2011).

Foi possível monitorar com o SAD somente 24% da área florestal na Amazônia Legal em fevereiro de 2012. Os outros 76% estavam cobertos por nuvens o que dificultou o monitoramento na região

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.