Foi o engenheiro e escritor Joel Spolks que cunhou a frase: “ideias não valem muito; é a execução das ideias que tem valor”.

Tenho alguns amigos que, principalmente no começo do ano, vêm conversar comigo sobre as suas ideias para o ano que acabará de começar. Geralmente as escuto atentamente, e ao final da conversa faço o seguinte questionamento: mas afinal, o que você vai fazer com as suas ideias? A resposta quase sempre é: “vou colocá-las em prática”. Então questiono novamente: “e como você fará isso?” E é aí que a porca torce o rabo!

É perceptível que poucos desses meus amigos sabem como colocar as suas ideias em prática. De modo geral a vontade existe, mas muitos esbarram no chamado princípio da inércia. Àquele, desenvolvido por Isaac Newton em 1687, que afirma que: “todo corpo contínua em seu estado de repouso ou de movimento uniforme em uma linha reta, a menos que seja forçado a mudar aquele estado por forças aplicadas sobre ele”. Ao começarem a descobrir que colocar uma ideia em prática é um tanto quanto complexo, a maioria desses meus amigos prefere não sair da zona de conforto e ficar procrastinando.

Bom, se de alguma forma você se identifica com um desses meus amigos, é importante compreender, a princípio, que uma das formas mais eficazes de conseguir o que você quer é saber o que você, realmente, quer. E quanto mais claros são seus objetivos, mas rápido manifestam-se as conquistas. Então, o primeiro passo é descobrir se você realmente quer colocar essa ideia em prática. Uma vez descoberto, é necessário agir! Para isso, apresento-lhes o texto “Pequenas regras para ação”, traduzido por Leo Babauta do original “The Little Rules of Action”.

Leia também:  Conflito é vida!

1. Não pense demais: Geralmente, se você pensa demais, fica girando em círculos, ou seja, sem agir. Pensar um pouco é bom – ter uma boa noção de onde está indo e o porquê – mas não pense demais. Apenas faça.

2. Comece logo: Todo o planejamento do mundo não te levará a nenhum lugar. Você precisa dar o primeiro passo, não importa o quão pequeno ou instável seja. Minha regra para me motivar a correr é: colocar o tênis e passar pela porta de casa. O resto acontece naturalmente.

3. Esqueça perfeição: Perfeccionismo é o inimigo da ação. Mate-o, imediatamente! Não deixe a perfeição o impedir de fazer algo. Você pode tornar um péssimo rascunho em algo bom, mas você não pode tornar bom algo que não existe. Então vá em frente.

4. Não confunda movimento com ação: Engano comum. Não ter tempo para nada não significa que você está fazendo algo. Quando você perceber que está se movendo muito rápido, fazendo muitas coisas de uma vez só, é um bom sinal pra parar. Diminua a velocidade e concentre-se.

Leia também:  Luto e luta: todas as vidas nos importam

5. Concentre-se no que é importante: Livre-se das distrações. Pegue a coisa mais importante que você precisa fazer hoje e concentre-se nisso. Quando você tiver feito isso, repita o processo.

6. Devagar e conscientemente: Aja deliberadamente. Ações não precisam ser rápidas. Na verdade, isso geralmente leva a falhas, e embora perfeição não seja de fato necessária, cometer muitas falhas que podiam ser evitadas com um pouco de atenção também não é.

7. Dê passos pequenos: Colocar na boca mais do que você consegue mastigar leva à inatividade. Talvez porque você se engasgue. Não sei. Mas pequenos passos sempre funcionam. Pequenos buracos que irão eventualmente fazer o prédio ruir. E cada passo é uma vitória, que irá lhe levar às vitórias seguintes.

8. Pensamento negativo leva a lugar nenhum: Sério, pare de fazer isso. Acha que não é capaz? Tem vontade de desistir? Diz pra si mesmo que é normal se distrair e que pode terminar depois sem problemas? Mande esses pensamentos pra longe. Bem…. ok… você pode se distrair um pouco, mas você entendeu. Pensamento positivo (e o quão cafona isso possa parecer) realmente funciona. É papo de você consigo mesmo. O engraçado é que as coisas que dizemos para nós mesmos têm o curioso hábito de virar realidade.

Leia também:  Atenção | Como se proteger da nova onda de ataques de Ransomware “PETYA”,

9. Reunião não é ação: Este é um erro comum de gestão. Eles fazem reuniões para fazer as coisas. Reuniões, infelizmente, quase sempre ficam no meio da ação em si, atrapalhando.

10. Conversar (geralmente) não é agir: Ao menos que a ação que você precisa fazer seja uma apresentação, palestra ou algo do tipo. Ou você seja um apresentador de TV. Geralmente, conversa é só conversa. Comunicação é necessária, mas não a confunda com ação de verdade

11. Planejar não é agir: Claro, você precisa de um plano. Faça e então estará ciente do que está fazendo. Mas faça rápido e ponha em prática o mais rápido ainda.

12. Ler não é agir: Você está lendo um artigo sobre ação, que irônico, eu sei. Mas que este seja o último. Agora vá trabalhar!

13. Às vezes, não agir é melhor: Esta pode ser a mais irônica coisa nesta lista, mas sério, se você achar que só está gastando cartucho ou que está se prejudicando mais do que ajudando. Repense se esta ação é realmente necessária. Ou melhor, se fazer isso desde o começo é necessário. Apenas faça se for.

 

Edilberto Magalhães

 Turismólogo, Produtor Cultural, Cerimonialista e Blogueiro

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.