Agentes da Polícia Federal fizeram operação de buscas em revenda de automóveis – Foto: Ronaldo Teixeira / AGORA MT

Agentes da Delegacia de Polícia Federal (PF) de Rondonópolis estão desde as primeiras horas da manhã desta quarta-feira (14/03) cumprindo mandados de busca e apreensão na operação batizada como “São Lourenço”.

Há pouco instantes a PF depois de aprender agrotóxicos se dirigiu até uma revenda de automóveis localizada na Av. João Ponce de Arruda, onde no ano passado o seu sócio proprietário foi morto a tiros.

Os agentes da PF ainda não podem dar maiores esclarecimentos da operação, mas, em uma entrevista coletiva marcada inicialmente para as 10h30min serão apresentados os primeiros resultados da operação.

HOMICÍDIO

Em outubro de 2011 o empresário Ricardo de Souza Lopes, de 37 anos, sócio proprietário da garagem onde a PF fez buscas nesta manhã, foi assassinado com cinco tiros e a Polícia Civil trabalha desde o homicídio com a hipótese de vingança.

Leia também:  Samu passa a contar com central mais ampla e moderna

Clique e veja as matérias relacionadas.

Homem é executado com 5 tiros no centro de Rondonópolis

Morte de empresário pode ter sido encomendada

METAS DA OPERAÇÃO

A “Operação São Lourenço” tem o objetivo de combater a falsificação, a comercialização e o contrabando de agrotóxicos em Rondonópolis. Ao todo serão cumpridos 21 mandados de prisão temporária, 37 mandados de busca e apreensão e 13 mandados de medidas coercitivas.

De acordo com a Polícia Federal, além de Rondonópolis, os mandados serão cumpridos nas cidades de Poxóreo, Primavera do Leste, Jaciara, Dourados (MS), Fernandópolis (SP), São José do Rio Preto (SP), Monte Aprazível (SP), Miguelópolis (SP) e Ituverava (SP).  As investigações que começaram em 2010 teve a instauração de 10 inquéritos entre flagrantes de contrabando e falsificação de agrotóxicos.

Leia também:  Exportações de soja acumula recorde em MT

Dois grupos diferentes e dependentes um do outro foram identificados pela PF. Um deles é responsável por contrabandear do Paraguai, por meio do Estado de Mato Grosso de Sul, falsificar e comercializar os agrotóxicos e o outro grupo é de fazendeiros que consumiam os produtos do crime.

O nome “São Lourenço” foi escolhido por fazer referência ao principal rio da região de Rondonópolis, vítima direta da ação criminosa.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.