Com o objetivo de alertar a população sobre os riscos da hipertensão o Departamento de Ações Programáticas de Secretaria Municipal de Saúde intensificou durante a semana as ações nas unidades de saúde e realiza hoje (26/04) a tarde, no horto florestal, uma campanha com as pessoas do local que receberam o serviço de aferição da pressão arterial e aula de exercícios de alongamento.

A gerente do Departamento, Mariúva Valentim Chaves, lembrou que hoje é comemorado o Dia de Combate à Hipertensão e que é preciso reforçar a necessidade das pessoas terem cuidado com a doença, pois não costuma apresentar sintomas e desencadeia de vários problemas, muitas vezes fatais.

Mariúva observa que os casos mais frequentes registrados na faixa dos 20 aos 49 anos, o perigo da doença estar aparecendo cada vez mais e em maiores índices em crianças e jovens. Isso fez com que o setor de ações programáticas montasse pequenos mutirões de atendimentos também em escolas do Município. Em uma delas, de 294 crianças atendidas, quatro foram classificadas como hipertensos. Dados oficiais confirmam que em 2011 oito pessoas com menos de 18 anos morreram em Rondonópolis, vitimadas por complicações oriundas da pressão arterial elevada. Já no quadro geral o número aferido no ano passado se aproxima de 300 cidadãos.

Leia também:  Prefeitura paga salário, metade do 13º e injeta mais de R$ 20 milhões na economia local

A gerente comenta que os fatores de risco, já bem conhecidos da sociedade, continuam sendo o sedentarismo, obesidade, tabagismo, consumo exagerado de sódio e de bebidas alcoólicas. Segundo o Ministério da Saúde a hipertensão é a causadora principal de quadros como o de doenças cardiovasculares, cerebrovascular, arterial coronária, insuficiência cardíaca e muitas outras que cessam milhares de vidas anualmente no Brasil. Para Mariúva só quando houver uma mudança de comportamento e mentalidade da população por completo é que as medidas preventivas e de acompanhamento das políticas de saúde terão o efeito desejado.

NÚMEROS

“Temos estes 5% de rondonopolitanos identificados como hipertensos, mas obviamente que este número na realidade é muito maior. A nossa dificuldade é identificar estas pessoas sem que haja pré-disposição delas. A média colocada como ideal pelo Ministério é de uma pessoa hipertensa em uma faixa de mil, é claro que o Brasil e também nós estamos distantes desta meta, mas quanto mais abrangente conseguir for o processo de identificação menor serão os casos de morte. As pessoas precisam se tratar, especialmente quem tem histórico familiar. É uma doença silenciosa e traiçoeira”, define Mariúva.

Leia também:  Proposta do novo IPTU reduz valores de imóveis menores e combate especulação imobiliária

TRATAMENTO

Nas unidades de PSFs do Município existem grupos de acompanhamento de hipertensos. A medicação para os participantes é distribuída gratuitamente, assim como na Farmácia Municipal mediante apresentação de receita médica.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.