População se manifesta contra a crise

A diretora-geral do FMI (Fundo Monetário Internacional), Christine Lagarde, afirmou em entrevista à emissora de televisão americana CBS, que será exibida no domingo (8), que a Grécia ainda tem riscos de ir à quebra, apesar das medidas de austeridade, e pode ser forçada a sair da zona do euro e da União Europeia.

As declarações da chefe do fundo são um alerta sobre a conjuntura do país, que passa por eleições em 6 de maio. Uma mudança política poderia pôr em risco os cortes de Orçamento e outras resoluções aprovadas para que Atenas conseguisse o segundo resgate financeiro, de € 130 bilhões.

Uma semana depois da aprovação do socorro ao país por autoridades da União Europeia e do fundo e da troca de títulos da dívida pública do país, autoridades econômicas europeias fizeram críticas aos avanços gregos.

Leia também:  Avião particular parte ao meio após cair com problemas mecânicos em Istambul

O comissário europeu de Assuntos Econômicos, Olli Rehn, deu a entender que o país pode precisar de um terceiro resgate financeiro. A iniciativa foi reafirmada por outros dirigentes da Europa e inclusive o premiê grego, Lucas Papademos, não descartou a possibilidade.

O mais duro foi o ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schauble, dizendo que a Grécia está pressionando Berlim apesar da situação financeira em que se encontra. “Quando nações inteiras vivem além de suas possibilidades e depois são obrigadas a adotar medidas de austeridade, é lógico que vão culpar os outros”.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.