O governo do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, promete investigar as denúncias envolvendo um diplomata iraniano, de 51 anos, acusado de abusar sexualmente de crianças e adolescentes brasileiros, de 9 a 14 anos. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Ramin Mehmanparast, disse hoje (24/04) que o caso será “examinado seriamente”. De acordo o porta-voz, o diplomata, que estava em Brasília, foi chamado de volta ao Irã.

A iniciativa marca uma mudança de posição do Irã em relação ao tema. No Brasil, a Embaixada do Irã, na semana passada, alegou apenas que as informações eram relacionadas a um “mal-entendido” e resultado de “diferenças culturais” entre iranianos e brasileiros.

No começo deste mês, o diplomata iraniano foi denunciado por abusar sexualmente de crianças e adolescentes, no Clube Vizinhança, na Asa Sul de Brasília, área nobre da cidade. De acordo com relatos, ele acariciava as partes íntimas de meninos e meninas enquanto mergulhava. Os relatos aos policiais foram feitos pelas vítimas, salva-vidas e parentes das crianças e dos adolescentes.

Leia também:  A Coreia do Norte testa míssil balístico em desafio com os EUA

No último dia 19, o porta-voz Mehmanparast rejeitou as denúncias definindo-as como “infundadas”. Segundo ele, as notícias sobre o episódio eram “falsas e irreais”. Porém, o governo brasileiro reagiu com veemência. O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, determinou o envio de pedido de explicações ao governo do Irã.

O governo brasileiro aguarda um comunicado oficial da Embaixada do Irã em Brasília. De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, se a resposta sobre a saída do diplomata do Brasil não for formalizada, o país pretende declará-lo persona non grata – medida extrema nas relações diplomáticas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.