A emissão de Carteira Nacional de Habilitação (CNH) pelo Departamento Estadual de Transito de Mato Grosso (DETRAN-MT) está em investigação que começou na manhã desta segunda-feira (23/04) pela Polícia Civil.

De acordo com informações do site Mídia News os alvos da operação são servidores do Detran, donos de autoescolas e funcionários. Serão cumpridos sete mandados de prisão temporária nas cidades de Cuiabá, Lucas do Rio Verde e Tapurah, munícipio onde também serão cumpridos seis mandados de busca e apreensão.

Segundo o Mídia News, a operação se iniciou a partir de denuncia de um aluno que disse ter pago R$ 2 mil de propina para uma autoescola de Tapurah, com o objetivo de mudar a CNH da categoria “B” para “C” para dirigir caminhão de carga e microônibus.

Leia também:  MT registra 57 incêndios em 9 dias do período proibitivo

Segundo o que a Polícia informou ao site Mídia News o aluno gravou conversas com o gerente da autoescola, que teria cobrado para praticar a fraude.

PRISÕES

De acordo com o site Mídia News, durante a operação, chamada de “Palma de Ouro”, sete pessoas foram presas na manhã desta segunda-feira (23/04), sendo três servidores do Detran foram presos em Cuiabá. Outras pessoas três pessoas envolvidas foram presas em Tapurah e uma em Lucas do Rio Verde. Essas pessoas podem responder pelos crimes de corrupção (ativa e passiva), falsidade ideológica, tráfico de influência, inserção de dados falsos em banco de dados da Administração Pública e formação de quadrilha.

O delegado Luiz Henrique de Oliveira disse ao site Mídia News que os presos são dois proprietários e administradores de autoescola, dois instrutores de trânsito e três servidores do Detran. O site informa também que de acordo com as investigações, os examinadores do Detran, responsáveis pela avaliação dos candidatos, também possuem participação na fraude.

Leia também:  Bandidos que mantiveram casal de advogados refém por quase 10h se entregam

Segundo o Mídia News a fraude foi descoberta em uma auto escola de Tapurah onde os alunos de direção recebiam facilitações ilegais e eram aprovados nos testes de direção sem que passassem pelo exame, mas isso mediante pagamento de propina. O esquema era gerenciado pelo proprietário da autoescola que intermediava junto aos servidores do Detran a suposta aprovação. O dinheiro era depositado em uma conta da autoescola de Tapurah

Entre as provas colhidas pela Polícia Civil está a filmagem integral de um teste prático ocorrido no dia 5 de abril. A investigação é realizada junto com a Corregedoria do Detran que, paralelamente a investigação vai instaurar procedimento de responsabilização dos servidores na parte administrativa e a autoescola de Tapurah corre o risco de perder o credenciamento do órgão.

Leia também:  Governo do Estado lança programa de combate ao analfabetismo
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.