Momento em que Hermes foi liberado pela polícia - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

O engenheiro do Serviço de Saneamento Ambiental de Rondonópolis (Sanear), Hermes Ávila de Castro acaba de deixar o Centro Integrado de Segurança e Cidadania (CISC) e foi conduzido por policiais civis para o Instituto Médico Legal (IML) onde será feito exame de Corpo de Delito. O exame é necessário para que se proceda à liberação do engenheiro, que foi preso no fim da tarde de quarta-feira (09/05) na operação para prender os diretores do Sanear, Terezinha Silva e Júlio Goulart.

O advogado de Hermes, Algacyr Júnior, revelou que o juiz Leomir Lídio Luvison, considerou em seu despacho no alvará de soltura de Hermes, que a prisão do engenheiro teria sido ilegal. “A polícia prendeu alguém que poderia ajudar a esclarecer mais os fatos e não atrapalhar. A impressão que se dá e que na pressa em se dar uma resposta a sociedade iniciaram uma ‘caça as bruxas’ sem qualquer parâmetro”, falou o advogado.

Leia também:  Amigo de boteco sai para 'afogar o ganso' e fica sem moto

Segundo o advogado como a prisão foi irregular o Juiz expediu o relaxamento da prisão, ou seja, Leomir Lídio Luvison, considerou que não pode ser imputada responsabilidade a Hermes pelo crime ambiental. “A justiça foi feita e o bom senso prevaleceu”, fala Algacyr.

Hermes declarou ao sair da prisão que foram 24h desgastantes e afirmou que quem o conhece sabe que ele trabalha nas questões sociais e ambientais. “Sei que a situação de tratamento de esgoto de Rondonópolis é lamentável e é meu sonho que haja uma boa estação de tratamento, mas isso não depende de mim”, conta.

O delegado que conduziu o caso, Henrique Meneguelo, se manifestou diante da fala do advogado de que ‘a prisão de Hérmes seria irregular’ dizendo que tudo ocorreu dentro da legalidade. “A prisão foi legal, foram feitos todos os procedimentos necessários, mas vivemos em um mundo democrático e eu respeito à opinião do advogado e a ordem da justiça”, fala.

Leia também:  Primavera do Leste | Jovem é assassinado a caminho do trabalho

Caso Júlio Goulart

O advogado Algacyr Júnior, informou que pela segunda vez o pedido de prisão do diretor técnico do Sanear, Júlio Goulart,  foi negado pelo juiz, apesar disso, a Polícia ainda considera Júlio desaparecido.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.