Um foguete não tripulado de propriedade da empresa Space Exploration Technologies decolou nesta terça-feira da Base Aérea de Cabo Canaveral para o primeiro voo comercial rumo à Estação Espacial Internacional.

O Falcon 9, com 54 metros de altura, decolou às 3h44 (4h44 em Brasília), de uma plataforma de lançamento um pouco ao sul do local onde a Nasa lançava seus agora aposentados ônibus espaciais.

Menos de dez minutos depois, o foguete liberou em órbita a sua carga — uma cápsula Dragon com 544 quilos de mantimentos para os tripulantes da Estação.

“A sensação é de que um peso gigante saiu das minhas costas”, disse pelo Twitter o fundador e executivo-chefe da empresa, Elon Musk, depois de ver o Dragon abrir seus painéis solares, primeira de várias etapas necessárias para que o módulo possa atracar na Estação. ““O Falcon voou perfeitamente!”, acrescentou Musk.

Leia também:  Casal é investigado por falecimento de desnutrição do filho de 7 meses

A Nasa espera que empresas como a Space Exploration Technologies, ou SpaceX, assumam a tarefa de levar cargas –e depois astronautas– até o complexo orbital multinacional, que flutua a 390 quilômetros sobre a Terra.

Atualmente, a Nasa depende da Rússia para levar tripulantes à Estação, a um custo que supera 60 milhões de dólares por pessoa. Rússia, Europa e Japão também levam cargas à Estação.

Se o voo-teste for bem sucedido, a SpaceX vai se tornar a primeira empresa privada a chegar à Estação. A SpaceX e a concorrente Orbital Sciences Corp. já têm contratos num valor total de 3,5 bilhões de dólares para levar cargas ao complexo.

A SpaceX está também entre as quatro empresas que planejam fabricar táxis espaciais que transportem astronautas, turistas e pesquisadores alheios à Nasa.

Leia também:  Prédio desaba e deixa pessoas desaparecidas na Quênia

Separadamente, a Nasa contribuiu com quase 400 milhões de dólares para o programa espacial comercial da SpaceX, uma empreitada de 1,2 bilhão de dólares que inclui o desenvolvimento e até três testes dos foguetes Falcon 9 e das cápsulas Dragon.

Uma análise do Congresso mostra que um programa semelhante, sob a égide da Nasa, custaria de quatro a dez vezes mais.

O Dragon deve levar cerca de um dia para chegar à órbita da Estação Espacial, e depois passará mais um dia treinando as manobras e testando seus sistemas de comunicação e auxílio à navegação. Se tudo correr conforme o previsto, a Nasa deve autorizar a atracagem na sexta-feira.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.