Manifestação dos professores de Rondonópolis na Avenida Amazonas. Foto Varlei Cordova/AGORA MT

A greve dos professores das Universidades Federais já é a maior dos últimos tempos, 46 das 64 unidades já suspenderam as atividades. Na manhã desta segunda-feira (28), professores e alunos da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) de Rondonópolis realizaram um manifesto na Praça Brasil.

O presidente da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso (ADUFMAT), professor Antônio Gonçalves Vicente, explicou que desde 2010 tentam negociar pautas como, Plano de Carreira, investimento em construções e reformas dos prédios das universidades, condições de trabalho, ensino e assistência aos estudantes, mas até o momento nada foi feito.

O professor observa que esta é a maior paralisação da história, pois tem a participação da maioria das universidades, que reflete em mais de um milhão de acadêmicos sem aulas e também na suspensão de pesquisas e projeto científicos e culturais.

Leia também:  Inflação do aluguel sobe, mas preços de locação seguem estáveis em Rondonópolis

Está greve conta também com participação dos estudantes nos manifestos, pois sentem as dificuldades dos professores em ministrarem aulas sem laboratório e a carência de salas de aulas.

Vicente relata que infelizmente a greve não tem previsão de término, pois o Governo tem adiado todas as reuniões com o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN).

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.