O estádio de Natal está garantido na Copa do Mundo de 2014, apesar do alerta feito pela Fifa sobre o andamento das obras, garantiu nesta quarta-feira o ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, que contesta os critérios adotados pela entidade para colocar em risco a participação da arena no evento.

“Não é fato (que Natal está em alerta vermelho)”, disse ele a jornalistas durante o 24o Fórum Nacional, no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio de Janeiro.

“O prazo para conclusão de Natal é dezembro de 2013 e esse prazo vai ser cumprido. As obras estão compatíveis para isso”, completou.

O ministro declarou que as métricas e critérios de medição adotados pela Fifa para acompanhar o andamento das obras em Natal divergem dos aplicados pelas empreiteiras brasileiras envolvidas na construção do estádio.

Leia também:  União estreia com derrota diante do Dom Bosco no Luthero

Aldo Rebelo acrescentou que confia mais nos critérios das empreiteiras nacionais do que nos aplicados pela Fifa.

“Estive em Natal por duas vezes e o que há é uma diferença de medição de etapas e fase da obra entre a consultoria contratada pela Fifa e as empresas que constroem estádios no Brasil”, declarou o ministro.

“Para a Fifa há um atraso e para o ministério e para o consórcio não há esse atraso… cada consultoria tem um critério e acredito e confio mais no critério da empresa que está construindo”, complementou ele.

CONSTRUTORAS

Para Rebelo, as grandes construtoras brasileiras que entraram nas obras das arenas das 12 sedes da Copa de 2014 -casos de Odebrecht, Andrade Gutierrez e OAS – querem mostrar eficiência e sucesso nesse ramo para participar futuramente de concorrências internacionais para a construção, por exemplo, de estádios nas Copas da Rússia, em 2018, e, no Catar, em 2022.

Leia também:  União perde em casa e dá adeus ao sonho da Série C

“Elas têm interesse em terminar a obra; são grandes empresas que existem há muito tempo e com uma carteira de obras testada no mundo inteiro”, disse.

“Não temos por que desconfiar da palavra dessas empresas que jogam seu nome e seu currículo nesse estádios. Isso vai credenciar essas empresas nas obras das próximas Copas do Mundo.”

O ministro não acredita que as suspeitas em relação à Delta Construções, envolvida em denúncias sobre uma rede de jogos ilegais chefiada por Carlinhos Cachoeira, possa prejudicar os preparativos do Brasil para a Copa do Mundo e a Copa das Confederações.

A Delta já deixou o consórcio que faz a reforma do Maracanã, palco da final do Mundial e da Copa das Confederações, e também participa de obras de infraestrutura em algumas sedes de 2014.

Leia também:  Judoca brasileira vence adversária com 11 segundos e se torna a bicampeã mundial

“O Brasil tem empresas com experiência grande em construção para substituir a Delta e não é porque a Delta vai sair que a obra não vai acontecer”, declarou.

O ministro admitiu que a Fifa está elaborando esboços de tabelas para a Copa das Confederações em 2013 com 4, 5 e 6 sedes. Quatro delas já estão garantidas: Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e Fortaleza. Outras duas estão pleiteando o direito de receber jogos do evento: Salvador e Recife.

“Soube que há três possibilidades: tem com 4, 5 e 6 sedes. Trabalhamos com a possibilidade de 6 sedes na Copa das Confederações”, destacou.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.