O dermatologista Cassio Ghidella. Foto Ronaldo Teixeira/AGORA MT

A Sociedade Brasileira de Dermatologia e a Secretaria Municipal de Saúde realizaram neste sábado (05/05) um mutirão, no Centro de Especialidades e Apoio ao Diagnóstico Albert Sabin (Ceadas), para diagnosticar e orientar as pessoas quanto a hanseníase.

O dermatologista Cassio Ghidella, afirmou que é alto os casos da doença no país e em Rondonópolis a realidade não é diferente. De acordo com o médico atualmente são acompanhadas 800 pessoas com hanseníase, mas o número de pessoas que possuem a doença é bem maior, pois muitas pessoas não sabem que possuem a doença.

Ghidella ressaltou que o problema será resolvido quando a população tiver condições melhores de moradia, pois a doença tem uma relação muito estreita com falta de infraestrutura de moradia, o que facilita a propagação da doença.

Leia também:  Avenida Amazonas será bloqueada nesta terça-feira (13) para passagem de adutora

Outras agravantes citadas pelo dermatologia são o uso incorreto do medicamento, que são eficientes quando usados corretamente e a falta da realização do exame negativo de conviventes, para diagnosticar se as pessoas que estão próximas ao doente foram contaminadas ou não.

O médico alertou que importante que as pessoas estejam observando se há alguma mancha insensível pelo corpo e se possível procurar regularmente um dermatologista para verificar se possui algum tipo de enfermidade da pele.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.